Roy Jones Jr diz que deixaria aposentadoria para superluta com Anderson Silva

Norte-americano, eleito o maior lutador da década de 90 e oito vezes campeão mundial, ainda sonha com superluta contra Spider

superluta de Anderson (esq.) x Jones Jr (dir.) ainda pode acontecer. Foto: Produção MMA Press

A lenda do boxe Roy Jones Jr está prestes a penduras as luvas. O norte-americano, eleito o melhor lutador da década de 90, fará seu combate de despedida, no próximo dia 8, contra Scott Sigmon. Mas isso não quer dizer que ele não cogite prolongar sua carreira por uma superluta. E o escolhido seria o brasileiro Anderson Silva.

Os rumores da superluta entre Jones e Spider tiveram início em 2009, quando o brasileiro vivia seu auge no UFC, e revelou o sonho de encarar o multicampeão do boxe. Mas, apesar das especulações sobre o combate terem esfriado, Jones Jr. revelou que voltaria a competir para enfrentar Anderson Silva.

Veja Também

Dana White aprova ida de Ronda Rousey para o WWE
Werdum diz que Cyborg ‘matará’ Amanda em superluta
Nova estrela da WWE, Ronda não descarta volta ao UFC: ‘Eu não duvidaria’

“Claro (que deixaria a aposentadoria), por que não? E vou estar na minha melhor forma e pronto para vencer, porque eu não planejo perder. A única coisa que eu vou perder é peso. Essa não é uma luta – é um superevento. E um evento desse porte sempre me interessa”, declarou Roy Jones Jr, em entrevista ao site do canal Combate

Jones Jr, que na época fez campanha para que a superluta acontecesse, lembrou do combate entre McGregor e Mayweather e garantiu que duelo diante do Spider seria ‘um dos maiores de todos os tempos’

“Para ser honesto, sempre estive interessado porque assim como a luta entre McGregor e Mayweather foi um dos maiores eventos de todos os tempos, eu sei que Roy Jones Jr. contra Anderson Silva também seria um dos maiores eventos de todos os tempos”, completou.

A carreira de Roy Jones Jr.

Roy Jones Jr, de 49 anos, tem um histórico no boxe de 65 vitórias e apenas nove derrotas. Ele foi medalhista de prata nas Olimpíadas de Seoul (1988) e chegou a conquistar oito cinturões na nobre arte nas divisões de médios, supermédios, meio-pesados e até dos pesados.

Notícias relacionadas