Instituto de Pesquisa do UFC descobriu que 70% das lesões em treinos ocorrem no joelho, ombro e mão

O Instituto de Performance do Ultimate realizou um estudo que compilou mais de 30 mil dados de performance dos atletas da organização

Em luta o maior número de lesões são na cabeça/face (77,8%), e pulso e mão (19,5%). Foto: Reprodução/Facebook UFC

Uma pesquisa desenvolvida pelo Instituto de Pesquisa do UFC revelou que cerca de 70% das lesões de lutadores em camp de treinamento acontece no joelho, ombro, pulso e mão. O estudo foi divulgado na segunda-feira (18).

A análise junta informações dos atletas do Ultimate nos últimos 12 meses que teve inicio em 2017, quando o Instituto foi criado. Em 80 paginas foram compilados mais de 30 mil dados de performance foram recolhidos.

Veja Também

Urijah Faber após incidente em Cingapura posta foto de pé machucado
Aposta do UFC, Sage Northcutt volta a lutar no UFC Boise contra Zak Ottow

Além do ano de 2017, o Instituto também investigou 3 mil e 900 duelos do Ultimate desde 2002. Em sua análise o órgão do UFC, concluiu que tempo médio de luta aumentou em 32,2% nos últimos 16 anos. Os pesos pesados têm a menor duração média de luta com 8m2s, enquanto o peso palha tem a maior com 13m35s.

Nos pesos pesados 60,1% das lutas terminam por KO/TKO enquanto 60,3% das lutas do peso mosca terminam por decisão. O mata-leão é a finalização mais usada para finalizar a luta e é seguida pela guilhotina.

As cinco lesões mais comuns em treino são joelho (37%), ombro (18,5%), pulso e mão (14,8%), pescoço (7,4%), antebraço (7,4%). Já m lutas são na cabeça/face (77,8%), pulso e mão (19,5%), joelho (15,6%), pé (10,7%) e ombro (9,7%).

“Nós estamos felizes em dividir essas informações com toda a comunidade do MMA porque são dados únicos. Há detalhes específicos sobre performance, prevenção de lesões, preparação física. Esperamos que isso ajude atletas e técnicos no melhor caminho para se preprarem e competirem no futuro”, explicou vice-presidente do Instituto, Dr. Duncan French.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário