Perto de aposentadoria, Demian quer fazer lutar no UFC São Paulo contra Diego Sanchez

Atleta projeta embate em novembro e analisa possibilidade de se retirar do MMA ainda esse ano

D. Maia deve se aposentar em 2019 após 12 anos de carreira no UFC. Foto: Reprodução/Youtube ufc

Perto de completar 18 anos no MMA, a história de Demian Maia no esporte está próxima do fim. Aos 41 anos, o paulista projeta luta em novembro, no UFC São Paulo e já mira seu possível adversário: Diego Sanchez. Após triunfar no UFC Minneapolis sobre Anthony Rocco, no último sábado (29), nos Estados Unidos, o atleta revelou que deve pendurar as luvas após o evento no Brasil.

Veja Também

Gastelum é liberado para voltar a treinar e desafia Jack Hermansson
Dana White afirma que não pode garantir chance de título a Ngannou e Benavidez
Sorridente, Francis Ngannou diz: ‘Agora, o que faz sentido é lutar pelo cinturão’

“Eu gostaria de lutar em São Paulo, em novembro. Espero que seja contra Diego Sanchez, já que ele tem me desafiado. Seria uma boa luta e, talvez, minha última. Eu não sei”, declarou Maia.

O atleta, no entanto, não confirma a aposentadoria após o evento nas terras tupiniquins. Demian afirmou que, caso não pendure as luvas em novembro, não atuará muito mais vezes em 2020.

“Depois dessa (UFC São Paulo), talvez eu faça mais umas duas. Mas, com certeza, este ano ou ano que vem, vou parar e me aposentar. Eu me sinto muito bem. Por isso eu continuo atuando. Porque eu amo o que eu faço. Se eu sentir que meu corpo não consegue mais, eu vou parar”, disse o paulista. “Eu só penso em parar porque tenho outros projetos em mente. Apenas isso me dá vontade de me retirar”, confessou o lutador.

Sanchez, de 37 anos, vem de duas vitórias consecutivas dentro da companhia. Seu último combate aconteceu em março deste ano, quando derrotou o norte-americano Mickey Gall, pelo UFC 235.

Em seu último compromisso, Demian conseguiu superar um adversário 12 anos mais jovem. Com seu jiu-jitsu sempre afiado, o brasileiro não encontrou dificuldades em impor suas quedas ao oponente e, com certa facilidade, conseguiu pontuar sobre o adversário durante dois rounds e administrar no último, levando, inclusive, um susto no fim.

“Rocco é muito duro. Eu não esperava que ele fosse tão bom nas grades com as finalizações no chão. Foi difícil encontrar uma maneira de executar a finalização, mas eu consegui derrubá-lo e realizar minhas transições. Ele foi muito esperto ao defender minhas técnicas e ele foi capaz de se levantar e tentar me fazer lutar em pé”, finalizou o lutador.

Maia, hoje, não vive seu auge dentro do UFC. O atleta, atualmente, figura na 12ª posição no ranking dos meio-médios (até 77kg.). Seus melhores momentos na companhia aconteceram em disputas de cinturão. Pelos médios (até 83,9kg.), o paulista enfrentou Anderson Silva, em 2010, quando ‘Spider’ era o maior nome do Ultimate. Em uma luta bastante polêmica, Maia foi derrotado por pontos por Silva, que pontuou o necessário sobre o compatriota e, no restante do combate, circulou pelo octógono, gerando a ira do público presente.

Demian também teve a oportunidade de atuar pelo título dos meio-médios, quando encarou o então campeão Tyron Woodley, em julho de 2017. Na oportunidade, o brasileiro também foi derrotado por pontos, mas continuou sendo muito respeitado dentro do UFC pela sua notável qualidade no jiu-jitsu. Para muitos, o paulista é o maior atleta da história da ‘arte suave’ do Ultimate.

 

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário