Acordo livra Jon Jones de acusação de assédio em casa noturna

Atleta foi denunciado por, supostamente, abusar de uma garçonete de uma boate em abril deste ano, nos Estados Unidos

J. Jones (foto) é acusado de assédio em boate. Foto: Reprodução/Instagram @jonnybones

O campeão meio-pesado (até 93kg.), Jon Jones, está livre da acusação de assédio, por parte de uma garçonete de uma boate em Albuquerque (EUA), ocorrida em abril deste ano. Segundo o ‘Albuquerque Journal’, não havia evidências suficientes para sustentar o prosseguimento do caso. ‘Bones’, no entanto, concordou com a sentença de 90 dias em liberdade condicional, na qual deve ficar longe de problemas com a justiça e na obrigação de não retornar ao local do incidente.

Saiba mais

Yair Rodriguez confirma nova mentalidade para encarar Stephens: ‘Agora ficou pessoal’
Chris Weidman afirma que Anderson Silva era superior a Jones: ‘Tinha algo místico’
Chris Weidman bate peso e garante estreia entre os meio-pesados contra Dominick Reyes

“Foi determinado que não existem evidências para seguir com a acusação de assédio, mediante as leis do estado do Novo México (EUA)”, disse Michael Patrick, responsável por falar em nome da promotoria.

Caso o prazo de 90 dias se encerre e Jones cumpra as exigências informadas em juízo, o caso terá seu fim definitivo e as partes, em comum acordo, seguirão suas respectivas vidas. Neste espaço de tempo, o atleta está proibido de ingerir bebidas alcoólicas ou drogas. O atleta também deverá arcar financeiramente com as taxas judiciais do processo.

Entenda o caso

Em abril deste ano, Jon participou de uma festa em uma boate em Albuquerque com amigos. Na ocasião, o atleta teria abordado uma garçonete de forma inadequada, tocando-a com rispidez e tentando forçá-la a sentar em seu colo. Depois de ter negado a investida de Jones, o atleta a teria estrangulado e a atirado ao chão.

Após a suposta ação, a funcionária da casa noturna, já em sua residência, acionou a polícia local e realizou um boletim de ocorrência relatando o caso às autoridades responsáveis.

O decreto final da sentença só foi possível após Jon não tentar, junto aos seus advogados, uma contestação da acusação junto à suposta vítima, que também não manifestou interesse em prosseguir com o processo.

Enquanto fora do octógono o norte-americano permaneça com uma vida conturbada, o atleta ainda reina absoluto na divisão dos meio-médios. Recentemente, o lutador realizou o desafio mais duro de sua vida, ao bater o brasileiro Thiago Marreta, na decisão dividida dos juízes, em uma verdadeira batalha ocorrida no UFC 239, em julho.

Desde então, o atleta, considerado por muitos o melhor atleta da história do esporte, aguarda que a diretoria do Ultimate encontre um adversário para sua próxima apresentação e agende o confronto.

 

 

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário