Perto de estrear pelos galos, Aldo quer lutar mais sete anos: ‘Vou até os 40’

Brasileiro confirma prolongar carreira, mostra motivação com o novo desafio e ainda mantém vivo o sonho de atuar no boxe

J. Aldo pretende lutar até os 40. Foto: Reprodução/Instagram @ufc_brasil

No próximo dia 14, José Aldo dará um passo importante na carreira. O atleta estreia na divisão dos galos (até 61,2kg.), pelo UFC 245, e mantém vivo o sonho de conquistar mais um título pelo Ultimate. Aos 33 anos, o manauara revelou ter recuperado a motivação e projetou mais sete anos em sua vitoriosa carreira. A declaração foi feita em entrevista ao ‘Combate’.

Veja Também

Kamaru Usman afirma que divisão dos meio-médios é a mais dura do UFC
Gaethje revela que pode ser ‘reserva’ na luta entre Khabib e Tony: ‘Se pagarem tudo, estou dentro’
Tony Ferguson manda recado a Khabib Nurmagomedov: ‘Vou fazê-lo urinar sangue’

“Vou lutar até os 40 anos. Tenho 33. Então, tenho mais sete anos lutando”, contou o lutador.

A informação pode pegar algumas pessoas de surpresa, já que, em um passado não tão distante, o brasileiro havia afirmado o desejo de se desligar do esporte de maneira prematura. Atualmente, porém, a ideia de José parece ter mudado drasticamente, já que o combatente mostrou interesse de estender-se nas artes marciais por um bom tempo.

“Pode ser (que eu lute) até mais (que 40 anos). Nunca fui de ir para a noite, de sair, beber. Tenho um corpo sadio. Esse é o primeiro ponto. Com o passar dos anos, não queria mais, mas conversei com o Dedé (Pederneiras, treinador), ele pediu para eu fazer essa experiência nos galos. Tinha uma ideia de que seria difícil bater o peso, fazer dieta, mas foi ao contrário. Estou me sentindo forte, treinando bem. Nem no WEC (World Extreme Cagefight) eu estava com esse potencial, voando nos treinos. Isso me faz crer que tenho muita coisa a dar”, declarou o manauara.

A resposta positiva de seu corpo com relação às mudanças às quais foi submetido, então, parecem ter dado a Aldo o ‘empurrão’ necessário para que ele se mantivesse ativo no MMA. O sonho de continuar no topo do esporte diante de novas possibilidades também podem ser considerados fatores importantes para seguir o novo rumo.

“Pode ter certeza que vou lutar por muitos anos. Se estou me sentindo bem, veloz, rápido como nunca estive, não tem por que parar agora. Quero conquistar o peso galo, fazer mais história ainda e depois pensar no que fazer”, afirmou.

Em 14 de dezembro, porém, o manauara será um dos responsáveis por dividir a torcida brasileira, já que, em sua primeira apresentação pelos galos, enfrentará o compatriota Marlon Moraes, ex-desafiante ao título da categoria. Para o compromisso, Aldo mostra respeito pelo próximo adversário e afirma que já tem a estratégia traçada para conquistar a primeira vitória na nova divisão.

“A gente já treinou junto aqui na academia, mas cada um vai defender seu lado. Ele vive na América, tem a família toda lá. Defendo minha equipe, minha família e meu país. Faz muito tempo que treinamos. É um moleque que tem um bom kickboxing, tem uma boa explosão. Observo lutas dele há muito tempo, temos algumas coisas formadas na cabeça”, contou José.

Aldo e Marlon estão escalados para atuar em um card com três disputas de cinturão. Os brasileiros disputam a segunda luta do card principal, que acontece antes da defesa de Amanda Nunes contra Germaine de Randamie.

 

 

 

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments