Brasileiro é bicampeão de torneio da PFL e embolsa prêmio de US$ 1 milhão; ‘Nova Ronda’ vence final feminina

Natan Schulte repetiu o feito de 2018 e embolsou a premiação milionária; Bicampeã olímpica, Kayla Harrison vence brasileira Larissa Pacheco e também leva US$ 1 mi

Natan vence GP do PFL. Foto: Reprodução / Twitter

Ele fez de novo! O brasileiro Natan Schulte venceu pela segunda vez o GP de pesos leves do PFL. Na última noite de 2019, no tradicional Madison Square Garden, em Nova York, o catarinense dominou Loik Radzhabov e levou a grande final na decisão dos juízes. Com o resultado, ele embolsou a incrível quantia de US$ 1 milhão, cerca de R$ 4.03 milhões na cotação atual. Natan já havia conquistado o mesmo valor na temporada 2018.

Saiba mais

Quem são os brasileiros que podem conquistar o cinturão do UFC em 2020?
VÍDEO: Patricky Pitbull consegue nocaute brutal no Rizin com pisões e tiro de meta

Para chegar ao prêmio milionário, Natan teve que passar por cinco adversários ao longo de 2019: Yincang Bao, em maio, Jesse Ronson, em julho, Ramsey Nijem e Akhmed Aliev, em outubro, até chegar a grande final da noite desta terça-feira contra Radzhabov.

Com o resultado, Natan soma um histórico profissional de 20 vitórias, três derrotas e um empate. Além disso, ele amplia sua série invicta para 10 lutas sem revés.

‘Nova Ronda Rousey’, Kayla Harrison domina Larissa Pacheco e leva US$ 1 mi

Kayla recebe o cinturão das mãos de Mike Tyson. Foto: Reprodução / Twitter PFL

Na luta principal do PFL 10, a bicampeã olímpica no judô, Kayla Harrison também fez bonito. A norte-americana dominou a brasileira Larissa Pacheco, venceu na decisão e também conquistou o torneio na divisão de peso leve feminino. A norte-americana também faturou o prêmio de US$ 1 milhão.

Com o triunfo, Kayla ampliou sua invencibilidade como profissional de MMA para sete lutas com sete vitórias. Larissa foi a única atleta que conseguiu chegar até o final da disputa sem ser nocauteada ou finalizada pela medalha de ouro nas Olimpíadas de 2012, em Londres, e 2016, no Rio de Janeiro.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário