Vídeo: Glover Teixeira adota cautela ao falar sobre cinturão, mas admite: ‘É um sonho’

Brasileiro, que retorna ao octógono na próxima quarta-feira, contra Anthony Smith, mantém pés no chão sobre nova chance de lutar pelo título e comenta processo para chegar lá

G. Teixeira em ação pelo UFC. Foto: Reprodução/Twitter @ufcbrasil

O brasileiro mais bem ranqueado na divisão dos meio-pesados (até 93kg.), Glover Teixeira está próximo de mais um compromisso pelo UFC. Na próxima quarta-feira (13), o mineiro trocará forças contra Anthony Smith e entende que uma vitória o recoloca no radar para uma futura disputa de cinturão. O atleta, no entanto, prefere falar com cautela sobre uma nova oportunidade de disputar o título da categoria. Em conversa com o jornalista Laerte Viana, com exclusividade ao SUPER LUTAS, o combatente comentou sobre o assunto.

Veja Também

Dana descarta punir Jones por prisão e espera que atleta lute mais uma vez em 2020
Luta entre Augusto Sakai e Blagoy Ivanov é remarcada para 23 de maio
Khabib Nurmagomedov sugere retorno em julho e afirma: ‘Vou amassar todos’

“Ter uma chance de um cinturão novamente é um sonho. A única coisa que está faltando para mim no UFC e no evento é ganhar esse cinturão, mas, ao mesmo tempo, eu pego luta a luta. Eu não ponho muita pressão sobre isso, não. Por isso, eu tenho feito um desempenho bom nas minhas últimas lutas”, disse Glover.

Embora seu próximo desafio seja contra um rival que atualmente ocupa uma posição de destaque (3ª) no grupo liderado por Jon Jones, o brasileiro compreende que, mesmo em caso de resultado positivo contra Smith, seu nome pode não ser o favorito da organização para uma luta imediata contra o campeão.

“Eu não vejo: ‘Se eu ganhar essa luta, eu já pego o cinturão’. Se eu ganhar essa luta, eu não penso que vou lutar pelo cinturão. Eu acho que vou ter que ganhar umas duas lutas ainda no top para lutar pelo cinturão. Eu não posso falar desse jeito. Tenho um cara duríssimo na minha frente, e eu tenho que passar pelo Anthony Smith, ficar no topo de novo. É luta a luta”, contou o mineiro.

Para o próximo combate, que tomará lugar na cidade de Jacksonville (EUA), Glover, assim como todos os atletas do UFC que aceitaram se apresentar durante a pandemia do coronavírus (Covid-19), teve de fazer adaptações aos seus treinamentos. A ação, adotada como medida preventiva, reduz o número de companheiros de equipe e altera consideravelmente o processo de preparação em que os lutadores estão acostumados. Teixeira falou sobre o assunto e admitiu um fator que pode favorecê-lo diante do cenário.

“A gente está mantendo este círculo fechado de quatro pessoas, no máximo. Não é uma coisa que sou acostumado, mas eu estou me sentindo muito bem. O bom de tudo isso é a experiência de luta que eu já tenho. Acho que se fosse um cara (que estivesse) no começo da carreira, com poucas lutas, teria, às vezes, dificuldade, mentalmente, de pensar que isso estaria bom”, contou Glover.

Na próxima quarta-feira, o mineiro de 40 anos completará sua 38ª desde que estreou como profissional no MMA. O brasileiro, hoje, soma 30 vitórias e sete reveses no esporte. Vindo de três resultados positivos em sequência, atualmente o combatente ocupa a oitava colocação no ranking da divisão.

Smith voltará ao octógono para confirmar a marca de 48 combates nas artes marciais mistas. O norte-americano tem 33 triunfos e 14 reveses.

Assista à entrevista com Glover Teixeira na íntegra

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments