Em nova versão, Johnny Walker crava: ‘Tenho tudo para ser campeão do UFC’

Em entrevista ao SUPER LUTAS, meio-pesado revelou que, mesmo vindo de duas derrotas, está corrigindo os erros para buscar o cinturão dos meio-pesados

Johnny Walker surgiu no UFC, entre 2018 e 2019, como a grande revelação dos meio-pesados (até 93 kg.) da franquia. O brasileiro conseguiu três nocautes fulminantes onde nenhum rival chegou até dois minutos de luta. A ascensão meteórica colocou o lutador fluminense próximo da chance pelo cinturão, porém duas derrotas consecutivas atrasaram os planos do lutador, Ele, no entanto, não se abala e garante: ‘Tenho tudo para ser campeão do UFC’.

Veja Também

Vitor Belfort agita fãs com vídeo de revanche contra Wanderlei Silva: ‘Quem gostaria de ver essa revanche?’
Mike Tyson recusa quase R$ 90 milhões para enfrentar Wanderlei Silva no ‘boxe sem luvas’
Na estreia da ‘Ilha da Luta’, UFC 251 contará com José Aldo e Gilbert Durinho em lutas por cinturões
Ultimate oficializa trilogia entre Stipe Miocic x Daniel Cormier no UFC 252, em agosto

Em entrevista exclusiva ao SUPER LUTAS, Johnny Walker contou de sua meta para chegar ao topo da divisão, que, atualmente tem Jon Jones como campeão.

“Meu objetivo é ser campeão. Eu sei que tenho potencial para isso… Mas eu preciso de experiência”, revelou o lutador de 28 anos.

Johnny reconhece que as recentes derrotas diante de Corey Anderson, em novembro de 2019, e Nikita Krylov, em março deste ano, serviram de aprendizado para corrigir falhas em seu jogo.

“Eu estou vindo de duas derrotas e não preciso errar mais para aprender. Agora foi construir devagarzinho para chegar no topo”, disse.

“Eu já aprendi muito (com as derrotas). Eu sei onde tenho que melhorar e estou treinando nisso. Eu estou melhorando meu jiu-jitsu, meu wresling, meu muay thai, meu. boxe”, completou.

Johnny Walker, que está treinando na Tristar Gym, no Canadá, sob orientação de Firas Zahabi, mentor da lenda Georges St. Pierre, revela que cada detalhe pode fazer a diferença em um combate entre os atletas do ranking.

“Eu sou um bom striker ninguém quer trocar porrada comigo em cima porque sabe que posso nocautear. No nível que estou é muito alto, são os melhores do mundo. Todos eles são bons e eu não vou lutar contra cara ruim mais. Primeiro que no UFC não tem cara ruim, se entrou lá tem algum mérito. Segundo que sou ranqueado. Eu sou o 11 do mundo. Eu tenho um striker bom, mas tenho que melhorar meu jab, meu direto. Todas as valências, todas as técnicas”, concluiu

 

 

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments