Chamada de ‘comunista’ por Namajunas no passado, Zhang desabafa sobre consequências de provocação da rival

Associada à ideologia política por Rose antes do UFC 261, chinesa revela perseguição de fãs e consequente distração para confronto

W. Zhang (foto) enfrenta R. Namajunas no UFC 268. Foto: Reprodução/Instagram

Perto de sua aguardada revanche contra Rose Namajunas pelo cinturão dos palhas (até 52,1kg.) do Ultimate, Weili Zhang desabafou sobre um fato ocorrido antes da primeira luta contra a rival, no UFC 261. Chamada de ‘comunista’ pela norte-americana antes do confronto em abril, a chinesa narrou como a provocação da rival a prejudicou, principalmente em relação aos fãs.

PUBLICIDADE:

Veja Também

“Isso definitivamente me afetou. Os comentários que Rose fez foram efetivos, fazendo os fãs se voltarem contra mim. Acredito que seja problema meu, porque eu deveria estar concentrada na luta, e não no público. Não posso controlar o que os fãs apoiam. Então, estou mais focada no confronto”, disse a ex-campeã, em entrevista ao ‘The MMA Hour’.

Embora esteja segura de que uma nova provocação do gênero não causaria o mesmo impacto em sua preparação, Zhang ainda não concorda com o artifício utilizado pela adversária na promoção do primeiro duelo. A atleta, então, seguiu analisando a situação.

PUBLICIDADE:

“Na minha cabeça, acho que os comentários passaram do limite, porque todos os fãs, os lutadores, nos unimos no UFC para dividirmos a paixão com o MMA. Eu penso que estou aqui porque quero fazer amigos, pois temos em comum o amor pelas artes marciais. Não é legal misturar o esporte com política, mas, talvez, seja esse o plano dela. No começo, acho que era apenas provocação. Não me afetou, de fato. No entanto, quando se entra em um estádio e as pessoas estão vaiando, acredito que Rose fez isso para que os fãs me vaiassem”, encerrou.

No UFC 261, Zhang acabou batida pela norte-americana em revés que lhe rendeu a perda do título conquistado em 2019. Em 6 de novembro, porém, a chinesa terá a oportunidade de retomar o posto assumido na vitória contra Jéssica Bate-Estaca.

PUBLICIDADE:

Podcast #40: José Aldo ainda pode ser campeão no UFC?