Qual é o legado de Fedor ao peso pesado? Ex-adversários e ‘nova geração’ analisam carreira da lenda do MMA

Ex-adversários e ‘nova geração’ manifestam, com exclusividade, suas opiniões sobre a importância do russo nas artes marciais mistas

F. Emelianenko (foto) é um dos melhores pesados da história. Foto: M1 Global/Divulgação

Fedor Emelianenko pode fazer sua despedida das artes marciais mistas no Bellator 269 deste sábado (23), quando enfrenta Tim Johnson. Estrela do extinto PRIDE e um dos nomes mais temidos da divisão dos pesados (até 120,2kg.), o russo chegou a estar quase dez anos sem perder na carreira, com vitórias notáveis diante de nomes como Antônio Minotauro (2x), Mirko Cro Cop e Mark Coleman (2x).

PUBLICIDADE:

Veja Também

Mas, na reta-final de sua trajetória no MMA, Fedor é o melhor da divisão em todos os tempos? Por isso, o SUPER LUTAS reuniu, de forma EXCLUSIVA, a opinião de lendários atletas – que já mediram forças contra a lenda – e lutadores da nova geração sobre a posição do ‘Último Imperador’ na história os pesos pesados (até 120,2kg.).

Ex-adversários

Lenda do esporte, Tim Sylvia já havia sido duas vezes campeão do UFC e, em 2008, teve sua primeira experiência fora da companhia de Dana White justamente diante de Fedor Emelianenko. Entretanto, no Affliction, o norte-americano acabou nocauteado com 36 segundos. Questionado sobre o assunto, o gigante fez questão de brincar com a experiência para opinar.

PUBLICIDADE:

“Sim, ele é (o melhor da história). Está absolutamente na posição. E é um grande homem também, fantástico. Eu só desejava poder me testar contra ele, mas já tinha acabado antes mesmo de começar. Foi uma porcaria”, brincou.

Conhecido por sua resistência em seus combates, Fábio Maldonado também teve a experiência similar com a de Tim Sylvia, já que encarou o russo após sair do Ultimate. Porém, diferentemente do norte-americano, o ‘Caipira de Aço’ entregou uma luta de três rounds e perdeu na decisão dos juízes. Agora, o brasileiro também se rende ao talento do russo e o coloca ‘acima de todos’ na história.

PUBLICIDADE:

“Nos pesados, acho que é o Fedor mesmo. Mas é f***, porque pode colocar (Fabrício) Werdum e (Rodrigo) Minotauro também. A história está sendo feita também, né? Temos Francis Ngannou, que é muito duro. Principalmente nos pesados, tem muita coisa sendo feita ainda”, analisou o brasileiro.

PUBLICIDADE:

E a nova geração?

Atletas promissores da nova geração dos pesados (até 120,2kg.) no Ultimate, Carlos Boi e Alexandr Romanov também falaram sobre o legado de Fedor Emelianenko. E a decisão foi unânime: o russo é, sim, o melhor.

Ao analisar o estilo de Fedor, Boi acredita que o russo não está sozinho na disputa entre os melhores e o coloca na mesma posição de Velásquez. Ainda assim, o baiano diz que as frequentes lesões de Cain o atrapalharam na disputa.

“Na minha opinião, Fedor (Emelianenko) é o melhor de todos os tempos junto com o Cain Velásquez. E, coincidência ou não, acho o estilo dos dois parecido. Muita explosão com socos na trocação, ground and pound violento e excelentes quedas. Velásquez foi prejudicado pelas lesões que teve, mas está empatado com o russo”, disse o brasileiro.

Perto do ranking da divisão dos pesados (até 120,2kg.) no UFC, Alexandr Romanov é apontado como um dos grandes prodígios da organização. Sem perder, o moldavo tem um cartel de 15 triunfos na carreira e revela que se inspira no ‘Último Imperador’ para ter sucesso em sua trajetória nas artes marciais mistas.

“Sim, sim. Para mim, é o melhor da história. Na verdade, Fedor Emelianenko é uma grande inspiração e uma lenda viva da divisão dos pesados no MMA”, destacou o invicto moldavo.

Legado construído!

A opinião sobre o ‘melhor da história do esporte’ é subjetiva e mutável. Porém, Fedor Emelianenko conseguiu um feito que é o grande objetivo de todos os atletas de alto nível: reconhecimento. E, decida por parar ou não, estará eternamente marcado e lembrado como o ‘Último Imperador’ e o rei que destronou muitos dos maiores nomes do MMA. Em sua brilhante carreira, o russo tem 39 vitórias, seis derrotas e uma luta sem resultado.

Podcast #40: José Aldo ainda pode ser campeão no UFC?