Fabrício Werdum aposta em vitória de Ciryl Gane sobre Francis Ngannou no UFC 270

Ex-campeão dos pesados, o brasileiro acredita em um leve favoritismo por parte do francês, atual detentor do cinturão interino

F. Ngannou (esq.) é campeão linear dos pesados, enquanto C. Gane (dir.) ostenta o título interino. Foto: Montagem SUPER LUTAS

No dia 22 de janeiro, Francis Ngannou e Ciryl Gane se enfrentam na luta principal do UFC 270, valendo a unificação dos cinturões peso pesado (até 120,2 kg) da organização. De acordo com o ex-campeão da categoria, Fabrício Werdum, o título tem boas chances de mudar de mãos.

PUBLICIDADE:

Veja Também

Em entrevista ao canal em língua espanhola do site norte-americano “MMA Junkie”, Fabrício Werdum destacou o fato de Ngannou e Gane serem ex-colegas de equipe e analisou o duelo, que para ele, será disputado em pé.

“É um confronto muito bom, porque os dois costumavam treinar juntos antigamente. Tem um vídeo que saiu deles fazendo sparring, e o francês parecia melhor. O campeão Francis Ngannou é muito bom, obviamente. Ele é muito forte e muito impressionante. Não acho ele um lutador tão completo, mas ele é o campeão, então é difícil criticá-lo. Acredito que ele tenha um buraco no jogo de chão, mas também o francês também tenha, ainda não vimos. Deve ser uma luta em pé”, analisou o gaúcho.

PUBLICIDADE:

Segundo Werdum, o grande diferencial da luta pode ser o fator mental. Para o ex-campeão, Ciryl Gane leva vantagem nesse aspecto.

“Acho que Gane pode surpreender Ngannou, porque os dois treinavam juntos e Gane é um lutador muito consciente, que luta bem e calmo. Ngannou é calmo, mas pode ser um pouco emocional. Ele vai ter que tomar cuidado. Vai ser uma luta muito boa, mas coloco meu dinheiro no francês. Ele é inteligente, calmo, controla a luta e a distância bem. Não acho que ele vá nocautear Ngannou, mas o vejo vencendo por pontos”, apostou Werdum.

PUBLICIDADE:

Werdum falou também sobre o vídeo de Francis Ngannou ignorando Ciryl Gane nos bastidores do UFC 268, que viralizou nas redes sociais. De acordo com o brasileiro, o camaronês fez certo em não ser amigável com o ex-colega antes de uma luta tão crucial.

PUBLICIDADE:

“Acho que Ngannou fez bem em não ser tão amigável. Eles treinavam juntos. Você não pode ter o que no Brasil chamamos de ‘sangue doce’. Não pode ser tão amigável. Depois da luta vocês podem ser amigos, beber alguma coisa juntos, mas antes não, porque é pelo título do UFC, é uma luta importante. Acho que Ngannou fez bem em ignorar. Já tive experiências assim e perdi por causa disso. Você tem que tomar cuidado”, finalizou Werdum.

Podcast #46: Aquecimento para o UFC 270 com duas disputas de cinturão + Amanda Nunes fora da ATT e Jake Paul rico