Sapo destaca evolução em seu jogo e diz que chão é o melhor caminho contra Herman

Em entrevista ao podcast SUPER LUTAS, mineiro avaliou seu próximo rival e refletiu derrota para Kennedy em 2013

Sapo (foto) enfrentará Herman no UFC Fight Night 40. Foto: Divulgação/UFC

Sapo (foto) enfrentará Herman no UFC Fight Night 40. Foto: Divulgação/UFC

Rafael Sapo, que enfrentará Ed Herman no UFC Fight Night 40, neste sábado (10), confia que evoluiu seu jogo e que, assim, poderá passar a integrar a lista de lutadores mais bem rankeados da categoria dos médios do UFC.

O mineiro afirmou, em entrevista ao podcast SUPER LUTAS, que trabalhou firme nos últimos meses para reparar algumas brechas que apresentava no octógono, o que irá contribuir para uma boa apresentação contra o veterano norte-americano. “Desde janeiro eu estou treinando para essa luta, consertando alguns erros no meu jogo, melhorando a parte de chão, a parte em pé. Para essa luta, como não podia ser diferente, estou muito bem treinado. Melhorei em todos os aspectos e tirei alguns buracos que tinha no meu jogo. Se Deus quiser, vai ser uma grande luta e vou dar de tudo para trazer a vitória para o Brasil”, detalhou Sapo.

O brasileiro admitiu que Herman é um atleta de MMA completo, mas reconheceu que a luta de solo poderá ser a chave para sua vitória. “Eu não vejo muita brecha no jogo dele. É um cara bom de jiu-jitsu, faixa preta, bom de wrestling, tem a mão boa, pesada”, elogiou. “Ele perdeu para os três brasileiros que são muito bons no jiu-jitsu, que são o Thales [Leites], Demian [Maia] e [Ronaldo] Jacaré. Eu também tenho o jiu-jitsu muito bom – sou faixa preta do Renzo [Gracie] e do [Vinícius] Draculino. Estamos acreditando muito no meu jiu-jitsu. O próprio Ed Herman busca a luta de chão, então tem tudo para ser uma grande luta. Mas a gente sabe que o melhor caminho sempre vai ser o jiu-jitsu, independentemente de quem eu enfrentar. A minha melhor arma é o jiu-jitsu.”

Caso consiga a vitória contra o norte-americano, Sapo já almeja uma posição no ranking oficial do UFC, que abrange os 15 melhores lutadores de cada categoria. “Aqui nos Estados Unidos, você fala para qualquer um sobre Ed Herman e todo mundo sabe. Isso é bem legal, porque eu ganhando dele vai ter uma repercussão muito boa. Uma vitória bem convincente, com uma finalização, um nocaute, ou uma boa luta, acho que tem tudo para me colocar no top 15. Mas a gente sabe que tudo tem sua hora. Eu respeito o tempo de Deus e a hora que tiver de ser, vai ser”, avaliou o lutador.

‘Luta com Kennedy mostrou que tenho potencial para lutar no top 10’, avalia Sapo

Kennedy (esq.) derrotou Sapo em 2013. Foto: Divulgação/UFC

Kennedy (esq.) derrotou Sapo em 2013. Foto: Divulgação/UFC

Em sua última luta, em novembro do ano passado, Rafael Sapo enfrentou Tim Kennedy na atração principal do UFC Fight for the Troops 3, na base militar de Fort Campbell, no estado norte-americano do Kentucky. Apesar de ter perdido por nocaute no primeiro round, o brasileiro viu o combate como uma experiência valiosa para sua carreira.

“Foi uma derrota, a gente tinha que lamentar, ficar triste, mas deu para ver que eu tenho potencial para lutar no top 10, entre os melhores. Eu dominei o Tim Kennedy completamente no primeiro round até entrar o soco. A gente sabe que não foi um soco de sorte, mas acontece. Tenho potencial para chegar ‘nas cabeças’, mas, para chegar lá, não se pode ter muito buraco em seu jogo. Você tem que tirar os buracos, porque isso diferencia o top 10 do resto da galera do UFC”, avaliou o lutador.

A ocasião também marcou a primeira vez de Sapo no combate principal em um evento do UFC. O brasileiro declarou que não viu problemas em fazer a luta mais importante da noite, especialmente ao enfrentar o ex-militar Kennedy.

“Fazer diferença faz, e tem muita gente que sente. Eu sou muito bom para isso. A luta, além de ser o main-event, foi dentro de um quartel-general. Então, muita gente que treina comigo ficou preocupada, mas minha cabeça é muito, muito boa para isso. Eu me dou muito bem com pressão. Foi uma conquista muito grande para minha carreira e quero fazer muitos main-events”, completou o brasileiro.

Atleta do UFC desde 2010, Sapo acumula na organização um cartel de seis vitórias, três derrotas e um empate. Antes de perder para Kennedy, ele vinha de uma sequência de três triunfos consecutivos, contra Sean Spencer, João Zeferino e Tor Troeng.

A luta principal do UFC Fight Night 40 terá o também brasileiro Erick Silva, que encara o sétimo colocado dos meio-médios, Matt Brown.

Confira a entrevista completa com Rafael Sapo, além de entrevista com Rogério Minotouro e debates sobre as novidades do MMA na última edição do podcast SUPER LUTAS!

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário