Wand revela torcida por Belfort: ‘Se encaixar uma bomba as chances são enormes’

Rival declarado do Fenômeno, Cachorro Louco deixou antagonismo de lado ao falar da luta do compatriota contra Weidman

Wand (dir.) e Belfort (esq.) foram treinadores rivais no TUF Brasil 1. Foto: Divulgação

Wand (dir.) e Belfort (esq.) foram treinadores rivais no TUF Brasil 1. Foto: Divulgação

Rival histórico de Vitor Belfort, que já o derrotou em uma luta em 1998 e com quem dividiu as funções técnicas do TUF Brasil 1, Wanderlei Silva parece deixar a rixa com o compatriota de lado quando o assunto é trazer de volta ao Brasil um cinturão que foi do país por quase sete anos. Ao comentar o duelo entre Belfort e Chris Weidman no UFC 181, no dia 6 de dezembro, o “Cachorro Louco” revelou sua torcida para Vitor e avaliou quais acredita serem as maiores chances de vitória do brasileiro.

PUBLICIDADE:

“Acredito que se ele soltar aquele cavalo louco, ir para dentro que nem um maluco e encaixar uma bomba, as chances de sair com o cinturão são enormes. Mas, se passar do segundo round, acho que complica mais. Vou torcer para o Vitor. Seria bom vê-lo campeão novamente, disse Wand, em entrevista ao site do diário “Lance!”.

O lendário ex-campeão do extinto PRIDE também falou sobre a evolução de Weidman como campeão e a forma como o norte-americano vem diminuindo as brechas em seu jogo. “Acho que o momento de ganhar do Weidman é agora. Ele é um campeão novo, mas mostrou que está com a confiança de campeão. Acho que quanto mais tempo vai passar, o detentor do cinturão mais evolui e melhora com as lutas. O Lyoto deu um atraso nele e agora é a chance do Vitor. Se não ganhar agora, não ganha nunca mais”, analisou.

PUBLICIDADE:

Sem lutar desde março de 2013, quando venceu Brian Stann na luta principal do UFC Japão, Wanderlei Silva neste momento aguarda a reunião do próximo dia 23 de agosto junto à Comissão Atlética de Nevada, na qual ficará definida sua situação após fugir de um exame antidoping surpresa em maio deste ano e posteriormente ter assumido que usava substâncias consideradas ilegais em uma audiência com o órgão regulamentador. Já Vitor Belfort, já liberado para atuar em Las Vegas pela Comissão Atlética, desafia Chris Weidman pelo cinturão dos médios na luta principal do UFC 181, no dia 6 de dezembro.

Podcast #40: José Aldo ainda pode ser campeão no UFC?

Comentários

Deixe um comentário