Esposa agredida defende ex-lutador do UFC: ‘Ele é uma pessoa amorosa’

Kaitlyn afirmou que caso de agressão envolvendo Josh Grispi ganhou proporções exageradas

Grispi (foto) responde a sete acusações pelo grave episódio de violência doméstica. Foto: Divulgação/UFC

Grispi (foto) responde a sete acusações pelo grave episódio de violência doméstica. Foto: Divulgação/UFC

O caso de agressão do ex-lutador do UFC Josh Grispi contra sua esposa foi tema do programa de televisão “Dr. Phil” na noite desta quinta-feira (30). Na atração comandada pelo psicólogo Phil McGraw, dedicada a resolver problemas de relacionamento de diferentes tipos, Kaitlyn Grispi saiu em defesa do marido e afirmou que o caso ganhou uma proporção maior do que deveria ter.

ENTENDA O CASO
– Grispi é preso acusado de mandar pitbull atacar sua esposa
– Agredida, esposa diz que não vai pedir divórcio

Em agosto, Grispi foi preso após supostamente espancar sua esposa e mandar seu pitbull de estimação atacá-la. O comissário de polícia que supervisionou o caso inclusive considerou o episódio como o pior envolvendo agressão doméstica que já havia visto. O lutador segue preso enquanto aguarda o julgamento do caso.

Kaitlyn Grispi afirmou que Josh não é uma pessoa agressiva e que, apesar de todo o ocorrido, não deveria permanecer na cadeia. “Eu descreveria Josh como um ótimo pai, um ótimo marido, um marido carinhoso e trabalhador. Josh é uma pessoa amorosa e doce. O lugar dele não é a cadeia. Ele não é normal, mas é seguro que ele fique solto. A polícia está tentando aumentar a proporção de uma briga de família porque Josh esteve ligado ao UFC”, afirmou a esposa.

Em agosto, Josh foi preso por duas vezes acusado de agredir Kaitlyn. No entanto, ela evita culpar o marido pelos episódios. “As primeiras vezes que houve agressão física foi, na verdade, culpa minha. Eu provoquei Josh e o deixei muito bravo porque eu não parava de falar. Foi quando ele me bateu e eu fiquei com um olho roxo e o lábio sangrando”, descreveu.

“Minha mãe tirou fotos minhas de quando eu fui agredida. Ela foi até a polícia e mostrou as fotos, o que fez com que a polícia aparecesse. Apesar de eu não querer que Josh fosse preso, ele ficou na cadeia por algumas horas. Na noite seguinte, nós discutimos novamente. Me escondi, mas ele me encontrou. Quando fui ao banheiro, ele arrombou a porta e bateu na minha cabeça algumas vezes. Neste momento, meu cão estava correndo como uma criancinha e se meteu no meio. Ele me mordeu na minha perna direita e Josh o agarrou pela coleira. Quando o cachorro foi preso, fui até a casa de uma vizinha e ela ligou à polícia”, continuou.

Depois de uma passagem de sucesso pelo extinto evento WEC, derrotando nomes como Mark Hominick e Jens Pulver (ex-campeão do UFC), Grispi chegou a ser escalado para enfrentar José Aldo pelo cinturão dos penas do UFC, em combate que seria realizado no dia 1º de janeiro de 2011. No entanto, o brasileiro se machucou e foi substituído por Dustin Poirier, que levou a melhor na decisão dos juízes.

O resultado desencadeou uma fase ruim de Grispi no UFC, que, a seguir, também perdeu para George Roop, Rani Yahya e Andy Ogle. Após as quatro derrotas consecutivas, Grispi foi demitido do UFC.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments