‘Declarado morto’, Dada 5000 diz que sentiu o espírito deixar o corpo

Lutador que teve duas paradas cardíacas em combate do Bellator deu detalhes sobre sua experiência na fatídica noite de fevereiro

Dada 5000 passou por grandes apuros no Bellator 149. Foto: Divulgação

Dada 5000 passou por grandes apuros no Bellator 149. Foto: Divulgação

Por muito pouco o Bellator não presenciou uma tragédia de grandes proporções em fevereiro, na controversa luta entre Kimbo Slice e Dada 5000. Quem garante é o próprio Dada, que sofreu duas paradas cardíacas naquela noite e que afirma ter sentido a “alma deixando seu corpo”.

Veja Também

Após derrota para Kimbo Slice no Bellator, Dada 5000 sofre parada cardíaca
Dada 5000 diz que chegou a morrer em luta no Bellator
Após parada cardíaca, lutador do Bellator recebe alta

Dada e Kimbo travaram duelo polêmico em 19 de fevereiro, já que ambos não deram grande demonstração de técnica e condicionamento físico. Apesar do visível cansaço dos lutadores, o combate prosseguiu até o terceiro round, quando Dada caiu em pleno cage e perdeu por nocaute técnico.

Em entrevista ao programa “The Dan LeBatard Show”, Dada, cujo nome de batismo é Dhafir Harris, explicou melhor o que aconteceu. “O coração é um músculo, então, quando os rins param de funcionar e eu continuo forçando, a próxima coisa que para é o coração. Eu estava morto. Quando você fala a respeito do espírito deixando o corpo, você vendo a luz, mas não é sua hora de ir embora e você é trazido de volta… Essa foi a minha situação. Eu cheguei a ser declarado morto, mas eles continuaram trabalhando”, comentou

A recuperação de Harris foi lenta, já que ele permaneceu internado no hospital por semanas. De acordo com o próprio lutador, no entanto, seu raciocínio foi reestabelecido antes mesmo de sua consciência. “Quando uma pessoa está em coma, tenha cuidado com o que você diz, porque a pessoa pode te ouvir, mas não pode te responder. Eu escutava os médicos dizendo que precisavam abrir um buraco em meu crânio para aliviar a pressão do cérebro, mas meus irmãos negaram. Depois, me pediam para mexer minha mão, mas eu não conseguia. Eu estava travado. Eu gritava com todas as minhas forças, mas também focava nas minhas mãos. Quando mexi minhas mãos, disseram que foi um milagre. Os médicos chegaram a me descartar”, completou.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments