Último adversário pede a Jones: 'Diga a verdade ao mundo' | SUPER LUTAS

Último adversário pede a Jones: ‘Diga a verdade ao mundo’

Ovince St. Preux, que encarou norte-americano em abril, questiona se rival estava dopado durante o confronto entre eles

Jones (dir.) x OSP (esq.) foi a luta principal do UFC 197. Foto: Josh Hedges/UFC

Jones (dir.) x OSP (esq.) foi a luta principal do UFC 197. Foto: Josh Hedges/UFC

Último lutador a dividir o octógono com Jon Jones, Ovince St. Preux pediu a seu adversário mais recente que diga toda a verdade acerca de seus problemas com substâncias proibidas.

Veja Também

Jones enfrentaria Daniel Cormier no UFC 200, no dia 9 de julho. Contudo, semanas antes, o norte-americano foi flagrado com bloqueadores de estrogênio e inibidores de aromatase. Essas substâncias são frequentemente usadas por atletas a fim de prevenir possíveis efeitos colaterais após o uso de anabolizantes.

St. Preux, que perdeu para Jones no UFC 197, em abril, ficou com a suspeita de que o rival estava dopado no duelo entre os dois. Por isso, o norte-americano de ascendência haitiana pediu esclarecimentos. “No dia 16 de junho, Jon Jones foi flagrado usando substâncias pós-ciclo. Isso significa que ele estava usando substâncias de aumento de performance antes disso. A única pergunta é: quando ele começou a usá-las? Foi antes da luta comigo ou depois?”, questionou, em depoimento enviado ao site norte-americano “MMA Fighting”.

“OSP”, então, prosseguiu: “Não há muitas pessoas que podem responder a essa pergunta, mas Jon Jones é uma delas. Então, pergunto: quando você começou a usar substâncias de aumento de performance, Jon? Eu queria lutar contra o melhor lutador do mundo, mas não queria enfrentar um trapaceiro. Então, nos diga a verdade. Todos nós sabemos que você estava usando substâncias de aumento de performance. Apenas diga ao mundo a verdade”, completou.

Na ocasião, Jones bateu St. Preux em uma confortável decisão dos juízes. Agora, com o doping positivo, o norte-americano foi suspenso temporariamente. Seu julgamento final deverá acontecer em setembro ou outubro, e sua punição definitiva poderá chegar a dois anos.


Comentários

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments