Juiz ‘atrasado’ pode anular luta entre Adriano Martins x Leo Santos no UFC 204

Equipe de Adriano Martins, alega que Jeff Mullen só chegou no início do segundo round e não seria capaz de julgar a luta

Equipe de Adriano (esq.) vai pedir anulação de resultado de luta contra Leo (esq.) no UFC 204

Equipe de Adriano (esq.) vai pedir anulação de resultado de luta contra Leo (esq.)

O combate entre os brasileiros Leo Santos e Adriano Martins no UFC 204, evento realizado no último sábado (08), ainda não terminou. O duelo, que vencido por Leo na decisão dividida dos juízes, gerou polêmica quando o juiz Jeff Mullen se ausentou de seu assento por todo o primeiro round e só retornou ao local nos segundos iniciais do segundo assalto. A equipe de Adriano anunciou que irá solicitar a mudança do resultado do embate para ‘No Contest'(sem resultado).

“Tem uns 15s ou 17s que ele não vê a luta, dá tempo de acontecer um knockdown e o cara se levantar. Nós e os atletas, somos exigidos o maior grau de profissionalismo, somos constantemente observados e exigidos a manter o mais alto grau de profissionalismo. Quero saber quem está obrigando esses caras a fazer a mesma coisa. Isso é um absurdo” reclamou Alex Davis, empresário de Adriano, ao site do canal Combate.

Veja Também

UFC 204: Iuri Marajó atropela e brilha no card preliminar
Assista aos melhores momentos do UFC 204 em câmera lenta
Polícia russa investiga ataque a filha de Fedor
Defesa de Lesnar aponta colírio ou creme como responsável por doping

O duelo entre os brasileiros seria, inicialmente, o segundo do card preliminar. Porém, na sexta-feira (07), a luta entre Ian Entwistle e Rob Font foi cancelada devido a Entwistle não bater o peso e a luta entre Leo e Adriano foi movida para a abertura do show. Esta mudança repentina pode ter causado confusão entre os juízes designados para o primeiro combate da noite.

Além disso, o árbitro central Kevin Sataki, responsável pelo duelo, também tem sua culpa no problema, já ele não executou o protocolo de verificar se juízes estavam em seus assentos designados.

Diante da tamanha confusão o UFC divulgou um comunicado oficial sobre o incidente explicando o ocorrido. A organização garantiu que irá rever todos os protocolos em eventos onde não existe comissão atlética e ela é responsável pelos julgamentos.

Comunicado do UFC sobre o caso

“No evento UFC 204 em 8 de outubro em Manchester, Inglaterra, um juiz não estava na cadeira apropriada de juiz durante o primeiro round da luta Adriano Martins x Leonardo Santos. O juiz Jeff Mullen estava sentado na primeira fileira da área da comissão, e estava observando a luta. Ao reparar que o juiz Mullen não estava em seu assento apropriado ao final do primeiro round, Marc Ratner, Vice-Presidente Sênior de Governo e Assuntos Regulatórios, perguntou a Mullen se ele acreditava que poderia adequadamente pontuar o round de seu ponto de vista.  O juiz Mullen confirmou que tinha observado o round inteiro e que ele poderia apropriadamente pontuar o round.

Como resultado, Mullen preencheu seu cartão de pontuação para o primeiro round, e tomou seu assento apropriado de juiz para observar e pontuar os dois rounds remanescentes na luta. Após a conclusão da luta, todos os cartões de pontuação dos três juízes foram contados e a decisão foi anunciada. Apesar de a luta ter resultado numa decisão dividida para Santos, é importante notar que todos os três juízes marcaram o primeiro round 10-9 a favor de Santos. Para garantir que um incidente semelhante não aconteça no futuro, o UFC reviu o seu protocolo para começar todos e quaisquer lutas que ocorrem em territórios que não tenham uma comissão atlética ou federação aplicável”.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments