Cyborg reclama de Dana e dispara: “Não luto por cinturão, luto por respeito”

Brasileira não escondeu sua insatisfação com Dana White, presidente do UFC, e disse se sentir desrespeitada

Cris (foto) não escondeu sua insatisfação com Dana. Foto: Buda Mendes/UFC

Cris (foto) não escondeu sua insatisfação com Dana. Foto: Buda Mendes/UFC

Cris Cyborg não ficou nem um pouco contente com o anunciou de que Holly Holm e Germaine de Randamie irão disputar o cinturão inaugural da categoria peso pena feminino (até 66kg) no UFC 208, marcado para dia 11 de fevereiro, no Brooklyn (EUA). Através de suas redes sociais, a brasileira demostrou insatisfação e chateação com a maneira que vem sendo tratada por Dana White, presidente da organização.

Veja Também

Dana White nega problema com Cyborg e sugere Holm x Rousey
UFC anuncia Holm x De Randamie pelo título pena e Cyborg reclama
Dana White: ‘Vamos criar o peso pena feminina, com ou sem a Cyborg’
Cyborg desabafa: ‘Sou campeã mundial, mas o UFC não me respeita’

“O UFC estava me forçando a lutar nos 63,5 kg e eles sabiam que iria fazer a (divisão dos) 66 kg. Por que eles queria que eu me matasse para lutar? Eles não vão me deixar defender meu cinturão dos 66 kg e eu não posso lutar em fevereiro porque o corte de peso para 63,5 kg foi muito perigoso para a saúde. Estou cansada de trabalhar para um chefe que não gosta de mim. Não luto por cinturão, eu luto por respeito. E é por isso que meus fãs vão me seguir em qualquer organização com qualquer promotor”, escreveu a lutadora, se referindo as duas lutas que realizou no Ultimate em 2016.

Cyborg também revelou que pretendia enfrentar Holly pelo cinturão em março, um mês depois do UFC 208, mas, segundo ela, a má vontade da organização em vê-la como campeã do Ultimate impediu que esse duelo acontecesse.

“Eu deveria lutar com a Holly em Brasília. Não neguei a luta, apenas pedi para março. Talvez o UFC não esteja interessado na Cyborg como campeã. A pior parte é que eu lutei pela minha divisão, eu não neguei lutas. Eu pedi para março. Você sabe quando um chefe apenas não quer promovê-lo mesmo você fazendo de tudo pela companhia”, declarou Cris, que completou ironizando a atual fase de Holm e Randamie.

“Eu sou uma campeã do mundo e ninguém me venceu. Uma dessas meninas está vindo de duas derrotas seguidas nas suas lutas. A outra não luta na divisão dos penas há cinco anos. Não é um título mundial”, concluiu.

Cris Cyborg, 31 anos, é campeã peso pena do Invicta FC, e já realizou duas lutas no Ultimate, ambas em peso casado (até 63,5kg). A estreia aconteceu no UFC 198, em Curitiba, em maio, quando nocauteou Leslie Smith. Na sequência, nocauteou Lina Lansberg no UFC Brasília, em setembro deste ano.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments