Bisping brinca e diz que apostaria em Amanda Nunes contra Henry Cejudo

Ex-lutador comenta piada de campeão dos galos sobre almejar cinturão de Leoa e Valentina Shevchenko

M. Bisping em entrevista no UFC. Foto: Reprodução Facebook UFC

O ex-campeão dos médios (até 83,9kg.) Michael Bisping brincou a respeito da declaração de Henry Cejudo, detentor do título dos moscas (até 56,7kg.) e dos galos (até 61,2kg.) de que o campeão olímpico gostaria de ‘roubar’ o cinturão de Amanda Nunes (campeã feminina das galos) e Valentina Shevchenko (campeã feminina das moscas). Em tom de brincadeira, o Bisping comentou em entrevista a seu próprio podcast, ‘Belive You Me’, que apostaria seu dinheiro em ‘Leoa’ em uma luta imaginária. Importante ressaltar que o combate não irá acontecer.

Veja Também

Jon Jones é acusado de assédio, mas afirma inocência: ‘Não acredite em tudo o que lê’
Jorge Masvidal rejeita desafio de Leon Edwards: ‘Me prometeram o cinturão’
Lutadores se manifestam contra decisão dos juízes em derrota de Massaranduba

“Ele (Cejudo) disse que quer todos os cinturões das moscas e galos, os femininos também. E, eu juro por Deus, que eu adoraria vê-lo enfrentando Amanda Nunes. Eu não sou a favor de uma mulher enfrentando um homem, ou espancando um homem. Eu gostaria de ver Nunes enfrentá-lo. Eu acho que apostaria na ‘Leoa’ neste combate. Sinceramente. Eu acho que eu apostaria meu dinheiro em Amanda nesta luta”, comentou Bisping.

Após conquistar seu segundo cinturão dentro da organização, ao bater o brasileiro Marlon Moraes na disputa do cinturão vago dos galos, Henry tem declarado publicamente sua compulsão por fazer história dentro da organização. Logo após bater Marlon, ainda no octógono o campeão olímpico manifestou sua ideia em bater lendas. Dias depois, o norte-americano também falou sobre subir novamente de categoria e tentar o título dos penas (até 65,7kg.) contra o vencedor entre Max Holloway e Frankie Edgar, que lutam neste sábado (27), em disputa da cinta da divisão.

A declaração de conquistar o posto de número um nas categorias femininas foi realizada em tom de brincadeira. O combate, além de moralmente malvisto, é ilegal e proibido em diversos países do mundo.

O Ultimate ainda não sinalizou qual deve ser o próximo passo na carreira de Cejudo. O atleta tem as opções de defender os cinturões dos moscas e galos, ou, caso o UFC ache financeiramente viável, permitir que o norte-americano realize o desejo de disputar seu terceiro cinturão.

Henry, no entanto, foi recentemente submetido a uma cirurgia no ombro para a correção de uma lesão e só deve estar apto a lutar em 2020.

 

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário