Dillashaw diz que quer luta pelo título após suspensão: ‘Eu nunca o perdi. Ainda sou o campeão’

Afastado do MMA por dois anos, atleta, que retorna às lutas apenas em 2021 afirma que categoria precisa dele e vai reivindicar ‘direito’

T. Dillashaw pedirá luta pelo cinturão após retorno. Foto: Reprodução/Instagram @tjdillashaw

Uma das maiores surpresas de 2019 no MMA foi a confirmação de que TJ Dillashaw ingeriu substância proibida e seria afastado do esporte por dois anos. O atleta, que assumiu o erro e acatou a suspensão, no entanto, afirmou que, ao fim da punição, irá reivindicar à diretoria do Ultimate uma luta para tentar retomar seu antigo cinturão dos galos, que hoje pertence a Henry Cejudo. A declaração foi dada em entrevista recente à repórter Helen Yee.

Veja Também

Após derrota em estreia, Raphael Bebezão tem luta marcada para o UFC Singapura
Covington faz previsão de vitória sobre Usman: ‘Nocaute no terceiro round’
Na corda bamba, Renan Barão enfrenta Douglas D’Silva no UFC São Paulo, diz site

“Esta é a minha divisão. Eu tive que abrir mão do meu cinturão e foi justo. Eu entendo. Eu estraguei tudo e estou pagando por isso. Mas eu não perdi. Este é meu título. Eu ainda falo que é meu cinturão. Eu ainda sou o campeão do mundo. Quando eu voltar, vou reivindicar minha posição”, declaro TJ.

Dillashaw se tornou campeão dos galos por duas vezes. A primeira, em 2014, o lutador conquistou o direito de ostentar a cinta após bater o brasileiro Renan Barão no UFC 173. Após a ocasião, o norte-americano chegou a defender seu posto por duas vezes até perder para Dominick Cruz, em 2016.

Derrotado, TJ conseguiu dar a volta por cima e venceu dois embates seguidos. Com o fato, o atleta voltou a se credenciar a lutar pelo cinturão. Desta vez, o atleta encarou Cody Garbrandt e conseguiu, novamente, assentar no trono da divisão. Dillashaw chegou a defender a cinta em uma revanche contra Cody e, após tentar a sorte na busca pelo título dos moscas e perder, foi constatado o doping e, assim, veio a posterior punição.

Julgado e suspenso, o atleta só terá o direito de atuar em janeiro de 2021. Ciente da falha, o atleta, no entanto, fala com empolgação sobre o futuro retorno. Segundo TJ, o esporte precisa de lutadores que possuem seu estilo, que gostam de falar e movimentam os bastidores.

A divisão dos galos precisa de mim. Eles precisam ter o entretenimento de volta, então, eles precisam que eu volte para jogar algumas faíscas na divisão e criar uma certa tensão”, finalizou o lutador.

Quando for liberado para voltar a lutar, Dillashaw estará próximo dos 35 anos. O lutador, hoje, soma 20 lutas, com 16 vitórias e quatro derrotas em sua carreira profissional.

 

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário