Marreta admite que voltaria aos médios para enfrentar Adesanya: ‘Seria uma grande luta’

Meio-pesado, no entanto, garante que não ficaria em sua antiga divisão, pois está adaptado na categoria de cima

T. Marreta (foto) afirma que gostaria de enfrentar I. Adesanya. Foto: Reprodução/Facebook @ufc

O brasileiro Thiago Marreta se tornou um atleta de prestígio após sua grande atuação contra Jon Jones, no UFC 239, em julho. Mesmo derrotado na decisão dividida dos juízes, o atleta proporcionou ao campeão o maior desafio de sua carreira até o momento. Em busca do próximo passo no Ultimate, o carioca admitiu que poderia voltar aos médios (até 83,9kg.) para um confronto contra Israel Adesanya, o atual número um ou para outra superluta. Em entrevista ao ‘Ag.Fight’, o atleta falou sobre o assunto.

Saiba mais

Técnico de Fabrício Werdum projeta revanche entre pupilo e Júnior Cigano para 2020
Darren Till pede luta contra Robert Whittaker no UFC 246, em janeiro
McGregor enfrenta Cerrone na luta principal do UFC 246, em janeiro

“Acho que sim (sobre retornar aos médios), quem sabe. Para fazer uma superluta, ou algo desse tipo, contra um adversário bem ranqueado, mas não para ficar. No momento, eu estou muito bem na categoria de 93kg. (meio-pesado), ganhei mais massa muscular, estou mais pesado. Seria um sacrifício para eu bater 84 (kg) novamente. Então, tem que haver uma boa razão para eu descer”, contou o atleta.

Para Thiago, uma ótima razão para se submeter novamente ao corte de peso para chegar ao limite de sua antiga divisão seria uma oportunidade de encarar o atual campeão, Israel Adesanya, que tem, a cada apresentação, despontado como um dos grandes nomes da empresa. Para o brasileiro, um duelo contra o nigeriano poderia motivá-lo a retornar à categoria que deixou há pouco mais de um ano. Marreta, no entanto, não descarta a chance de lutar contra o campeão entre os meio-pesados.

“Gosto de enfrentar os tops e ele (Adesanya) é um deles. Já estive (próximo) de lutar com ele, fiquei de reserva na luta dele contra o Brad Tavares (2018). Acabou não acontecendo. Hoje em dia, estou na categoria de cima e ele na de baixo, mas eu adoraria enfrentá-lo, seja no 93 (kg) ou no 84 (kg). Eu toparia, acho que seria uma grande luta e quem sabe no futuro a gente não se encontre”, contou o combatente.

Thiago estreou na divisão dominada por Jon Jones em setembro do ano passado. Logo em sua primeira apresentação, deu seu cartão de visitas ao nocautear brutalmente Eryk Anders, no UFC São Paulo. O brasileiro se deu bem na nova categoria e, após mais duas vitórias convincentes, teve sua chance de lutar pelo cinturão.

Marreta, no entanto, acredita que Adesanya não teria a mesma competência atuando entre os mais pesados. Sem desmerecer o nigeriano, o brasileiro afirmou que, por questões de biotipo, o lutador poderia encontrar dificuldades contra adversários mais fortes.

“Ele é um cara, não de altura, mas de massa muscular pequena para o 84kg. Ele tem uma envergadura muito boa, altura boa, mas não tem massa muscular boa para o 84 kg. Acho que no 93kg., se ele subisse, ele acusaria os golpes de um meio-pesado. Acredito que seria mais fácil ele baixar para 77kg. (meio-médios) do que subir para 93kg.”, finalizou o carioca.

Sem lutar desde o desafio contra Jon Jones, Marreta, hoje, se recupera de duas cirurgias nos joelhos, consequência da batalha contra o norte-americano. O lutador segue sem previsão de retorno às disputas, mas, possivelmente, os fãs brasileiros voltarão a vê-lo em ação em 2020.

 

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário