Invicto no UFC, Augusto Sakai aposta em nocaute sobre Blagoy Ivanov neste sábado: ‘Treinei para isso’

Promessa brasileira na divisão dos pesados, paranaense fala sobre novo desafio, futuro na organização, Jon Jones e adota ‘pés no chão’ sobre futuros adversários

Uma das grandes promessas brasileiras para a divisão dos pesados (até 120,2kg.) do Ultimate, Augusto Sakai está pronto para seu próximo desafio pela organização. Neste sábado (30), o paranaense vai encarar Blagoy Ivanov na luta co-principal do UFC Las Vegas, que acontece nos Estados Unidos. Próximo de outro grande desafio, o combatente conversou com o jornalista Laerte Viana, com exclusividade ao canal do YouTube do SUPER LUTAS, e falou sobre a expectativa para o confronto.

Veja Também

Após ‘perder’ cinturão, Cejudo agradece ao UFC e confirma: ‘Foi uma viagem maravilhosa’
Stipe Miocic acredita que Jon Jones poderia vencer Francis Ngannou nos pesados
UFC encaminha luta entre Pedro Munhoz e Frankie Edgar para 11 de julho

”Com certeza, ele (Ivanov) vai vir com uma sede de vitória), mas acredito que meu jogo vai ‘casar bem’. Ele é um cara que cadencia um pouco mais a luta, mas tem poder de nocaute também. Pelo estilo dos dois, a luta deve correr mais em pé. Acredito que vai ser um nocaute meu. Eu treinei para isso”, disse Sakai.

Cautela sobre futuro

Questionado se, após o compromisso contra Blagoy, Augusto mostrou serenidade ao falar sobre o futuro dentro da divisão. O atleta pensa que é necessário concentração em cada rival para que não ‘atropele’ os planos dentro da organização.

“Eu acredito que seja um passo por vez. Não adianta querer dar um passo maior do que a minha perna, sendo que eu tenho o Blagoy no meio do caminho. Meu foco, por enquanto, está nele e, depois dessa luta, vamos pensar o que pode vir. Uma luta boa que pode me alavancar lá para cima”, explicou o brasileiro.

Relação com o UFC e fãs

Ciente de que tem desempenhado um bom papel desde sua estreia pela companhia, em 2018, Sakai sente que a diretoria do Ultimate vê com bons olhos sua evolução para a nova geração da divisão. O atleta, no entanto, percebe que a relação ainda é duvidosa com os fãs tupiniquins. Com mais vitórias, porém, o paranaense pode convencer o público de que chegou ao UFC para ficar.

“Da parte do UFC, acho que eles acreditam em mim, naquilo que eu venho fazendo desde que eu saí do Bellator (2017), lutei em Curitiba (PR), daí entrei no Contender (Dana White’s Contender Series, em agosto de 2018) e tive uma evolução muito grande. Então, eles estão vendo isso e acredito que eles apostam em mim”, disse Augusto, antes de comentar sobre os fãs brasileiros.

“Por parte dos fãs, acho que é um pouco dividido. Uns 70% acho que acreditam em mim e espero representar isso com força total e trazer muita alegria para o povo brasileiro através disso”, contou.

Está pronto para o topo?

Com apenas três apresentações pela companhia, o paranaense, hoje, já ocupa a 13ª posição no grupo que atualmente é liderado por Stipe Miocic. Pensando em caminhar cada vez mais rumo ao topo da categoria, Sakai entende que, para se manter constante, é necessário uma ampla evolução e, assim, superar com cada vez mais dominantes seus próximos rivais.

“A gente sempre precisa evoluir. Se a gente parar, ferrou. Com certeza, se eu chegar hoje no top 5, eu vou poder render, mas, como eu falei, a cada dia, a gente tem que evoluir, melhorar, acrescentar novas ferramentas e armas para nosso jogo. Nada de ficar acomodado”, disse o atleta.

Jones nos pesados

Por fim, Augusto comentou sobre o assunto que tomou conta do universo do MMA nas últimas semanas, que é a possibilidade de Jon Jones migrar para a divisão dos pesados em um futuro próximo. Sem se esquivar, o brasileiro falou o que pensa sobre o assunto, como acha que o campeão dos meio-pesados (até 93kg.) se sairia na categoria de cima e ainda palpitou sobre a emblemática superluta de ‘Bones’ contra Francis Ngannou.

“Eu acho que ele (‘Bones) não ia ter esse sucesso todo. Nos pesados, ele ganharia de muita gente, mas não sei se renderia tanto assim. A pegada é um pouco mais pesada mesmo e o próprio Ngannou, se acertar uma ‘mãozada’ daquela, pode prejudicar muito ele. Se ele (Jon) fizer uma luta mais ‘fugindo’, ele tem chance de ganhar. Quem sabe 60% para o Ngannou e 40% para o Jon Jones”, finalizou.

Neste sábado, Sakai chegará à marca de 17 apresentações na carreira como profissional no MMA. Aos 29 anos, o atleta, hoje, soma 14 vitórias, uma derrota e um empate. Um triunfo sobre Ivanov, 12º no ranking, pode aproximar o curitibano do top 10.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments