José Aldo critica Jon Jones por pedir aumento: ’Se não fosse o UFC, o que ele seria?’

Lenda brasileira diz que respeita opinião do campeão dos meio-pesados, mas discorda de briga de ‘Bones’ com diretoria do Ultimate

J. Aldo (foto) critica J. Jones por pedir aumento no UFC. Foto: Reprodução/Instagram

Ex-campeão dos penas (até 65,7kg.) do Ultimate, José Aldo se colocou contra Jon Jones na guerra do norte-americano com o UFC. O norte-americano vem pedindo um aumento significativo em seu salário e ameaça abrir mão do cinturão dos meio-pesados (até 93kg.), caso não seja atendido. O manauara afirmou que entende a posição de ‘Bones’, mas reforçou que não é o momento para tais exigências.

Veja Também

Pai e mentor de Khabib, Abdulmanap Nurmagomedov morre aos 57 anos, vítima de complicações da Covid-19
José Aldo sobre corte de peso nos galos: ‘Mais fácil do que nos penas’
Dustin Poirier relata como derrota para Conor McGregor salvou sua carreira no MMA

“Primeiramente, eu respeito a posição dele. Isso faz parte do atleta, mas eu penso totalmente o contrário. Eu fico muito feliz pelo que o UFC me deu, por me tornar quem eu sou. Então, eu não vejo, nesse momento, acho que mundial, todo mundo está passando por uma situação bem difícil, querer brigar por um aumento, ou qualquer coisa”, disse o manauara em entrevista à ‘ESPN’.

Para muitos lutadores, chegar ao Ultimate é um sonho quase impossível. Partindo disso, Aldo voltou a reforçar a importância que a organização tem sobre todos os atletas que conseguiram ter sucesso dentro da empresa, pois, segundo o brasileiro, ela foi de grande importância para o renome mundial de muitos.

“Eu perguntaria: ‘Se não fosse o UFC, o que ele seria? Não seria nada. Esse momento não é de pensar em ganhar mais ou não. Deixa passar essa fase, aí você negocia seu contrato. Se você assina um contrato pra ganhar ‘x’, está escrito ali. Aí, porque ganhou uma ‘lutinha’, tem que ter um contrato a mais? Não. Respeita. São profissionais e é assim que tem que ser”, afirmou Aldo.

O lutador declarou que estaria disposto a atuar pela organização ainda que fosse por um valor menor, visando apoiar a instituição, que tem gastado alto para manter seus lutadores ativos e os cards acontecendo durante a pandemia do coronavírus.

“Se precisasse de mim, eu lutaria. Qualquer valor que ele fosse me dar, porque é um momento dificil. Eu entendo o lado do Jon Jones, mas, eu, pessoalmente, acho errado nesse momento”, finalizou.

Enquanto Jones mantém a decisão de se afastar do MMA por tempo indeterminado, Aldo se prepara para mais uma disputa de cinturão dentro do Ultimate. O brasileiro enfrentará Petr Yan, em 11 de julho, em combate válido pelo título vago dos galos (até 61,2kg.), no UFC 251.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments