Patrício Pitbull comenta nocaute sobre companheiro de McGregor: ‘Não sou José Aldo’

Depois de bater Pedro Carvalho no Bellator 252, lenda da organização reforça confiança em seu talento e se coloca acima de irlandês

P. Pitbull (foto) derrotou P. Carvalho no Bellator 252. Foto: Reprodução/Instagram

Após dar mais um show sobre o cage circular do Bellator e defender seu cinturão dos penas (até 65,7kg.), Patrício Pitbull é pura confiança. Ao bater o companheiro de equipe de Conor McGregor, Pedro Carvalho, com um nocaute no primeiro round, o brasileiro fez valer a fama de lenda da organização e comentou sobre o sucesso de sua última apresentação.

Veja Também

Com 108kg, Jon Jones exibe grande evolução física e se aproxima de estreia nos pesados
Presidente do Bellator parabeniza Fabrício Werdum por assinar com a PFL: ‘Encontrou uma casa melhor’
Apesar da rivalidade, Patrício Pitbull acredita que Michael Chandler pode ser campeão do UFC: ‘Tem muita qualidade’

“Ele (Pedro) era meio que uma cópia do que McGregor fez no início de sua carreira no UFC. Ele lutou bem e chegou a uma disputa de cinturão. Mas, tem um detalhe: ‘Ele não é Conor McGregor e eu não sou José Aldo. Aí que ficou ruim para ele”, afirmou o potiguar, em entrevista ao ‘MMA Fighting’.

Feliz com o resultado, Patrício, além de manter o posto de campeão, conseguiu calar os técnicos de Carvalho. Antes do confronto, os treinadores apostavam que o português faria história ao desbancar o maior nome da história do Bellator, algo semelhante do que aconteceu entre Aldo e McGregor, em 2015, pelo UFC.

“Os técnicos dele sempre disseram que ele era habilidoso – ou talvez até mais habilidoso – do que Conor. Eles apostaram pesado nele e acabou daquele jeito. Ele achou que seria como Conor, promover a luta e nocautear o campeão rapidamente, mas teve um resultado negativo ao invés disso. Foi nocauteado e aprendeu uma lição”, contou.

Mesmo com as comparações, Pitbull não minimiza o talento de Conor, que é um dos maiores fenômenos da história recente do MMA. Pensando assim, o brasileiro segue sonhando com uma superluta contra o irlandês em um evento cruzado entre Bellator e UFC.

“Acho que tudo é possível, se os fãs quiserem. Se alguém grande como Conor McGregor apoiar a ideia, acontece. Eu já ouvi (John) Kavanagh (treinador do irlandês) dizer que um dos sonhos dele é me ver enfrentando McGregor. Ele disse depois que eu derrotei o Pedro. Seria como uma revanche para ele. Estou aberto”, finalizou.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments