Especialista no boxe, Cigano explica transição do MMA para o ‘Triad Combat’ e analisa próxima luta

Adversário do experiente Kubrat Pulev em 26 de fevereiro, brasileiro fala sobre expectativa para novo passo na carreira

J. Cigano estreia no ‘Triad Combat’ em 26 de fevereiro. Foto: Reprodução/Instagram

Ex-campeão dos pesados (até 120,2kg.) do UFC, Júnior Cigano está pronto para o novo passo na carreira. Estrela do ‘Triad Combat 2’, que acontece em 26 de fevereiro, o brasileiro está certo de que executará um grande papel no desafio contra o pugilista Kubrat Pulev, em evento que mescla boxe e MMA. Em coletiva promocional do show, com participação do SUPER LUTAS, o lutador falou sobre a transição das artes marciais mistas para a nova modalidade.

PUBLICIDADE:

Veja Também

“Dentro do mundo do MMA, eu sempre fui conhecido como o cara do boxe. Sempre treinei com o professor (Luiz) Dórea, sempre me senti confortável boxeando. Quando era só boxe, eu fazia 12 rounds tranquilo, bem natural. Quando envolvia a luta agarrada, a coisa complicava um pouco mais. Meu natural sempre foi para o lado da trocação”, afirmou.

Famoso por seu boxe de excelência, Júnior explicou aos fãs um pouco sobre as regras do ‘Triad Combat’. O brasileiro conta que os duelos não se baseiam apenas na trocação.

PUBLICIDADE:

Não vai ser ‘puro boxe’. Vai ter luta agarrada também, sem chão, nada. Aquela parte chata do boxe eles vão tirar, que o cara agarra e juiz (árbitro) vem e para a luta. Agora, agarrou, pode dar soco, o que faz disso superinteressante. É uma ótima transição para mim. Estou me sentindo bem confortável com esse estilo. Empolgado para fazer a primeira luta”, contou.

Para seu primeiro desafio desde sua saída do UFC, Cigano não terá vida fácil. Rival do brasileiro, Pulev disputou o título mundial dos pesados em dezembro de 2020, quando foi superado por Anthony Joshua. Ciente do desafio, o brasileiro analisou o confronto.

PUBLICIDADE:

“Pulev é um cara superexperiente. Ele lutou contra os melhores lutadores da atualidade no mundo do boxe. É um cara duríssimo. É o tipo de desafio que eu estava procurando, que me motiva. (…) Óbvio que não vou ficar parado na frente dele como o Frank Mir fez (no Triad Combat 1, quando o ex-UFC acabou duramente nocauteado). O Frank acabou pecando, até porque o Mir não tem como ‘carro chefe’ o boxe. Não sou o Frank Mir, sou o Cigano. (…) Minha intenção é ir lá e trocar soco com o Pulev”, encerrou.

PUBLICIDADE:

Pupilo de Luiz Dórea, Cigano fará sua primeira luta profissional desde seu desligamento do Ultimate. Campeão na empresa entre 2011 e 2012, o catarinense não se apresenta desde dezembro de 2020.

Podcast #63: Blachowicz merece enfrentar Glover pelo cinturão do UFC? Lyoto perde no Bellator e se complica