AO VIVO

Assista à coletiva pós-UFC 276 com Adesanya, Poatan e mais

Primeiro lutador assumidamente gay no MMA brasileiro desabafa sobre preconceito: ‘Sexualidade não define minha força’

Com exclusividade ao SUPER LUTAS, Washington Dourado revela luta dentro e fora dos cages e descreve relação com equipe

Lutador dentro e fora dos cages. Após grande repercussão da reportagem exibida pelo ‘Fantástico’, na TV Globo, Washington Dourado, primeiro lutador assumidamente gay no MMA brasileiro, falou com exclusividade ao SUPER LUTAS. Atleta do peso pena, o combatente desabafou sobre preconceito e convidou os fãs para acompanharem sua defesa de título no oitavo ‘Macaco Fight’, em 14 de maio.

PUBLICIDADE:

Veja Também

Atleta de MMA há cerca de 12 anos, Washington se apresentou aos fãs do esporte. Hoje, o lutador está com 29 anos e se apresenta e detém o cinturão no ‘Macaco Fight’, onde já venceu em seis edições.

Estilo de luta

Para se apresentar aos entusiastas do esporte, Dourado descreveu suas principais características nas artes marciais mistas. O atleta tem como ponto forte a luta em pé, marcada pela agressividade.

PUBLICIDADE:

“Eu gosto muito do Muay Thai, a luta em pé em si. Para mim, é mais vantajoso. É uma coisa que me atrai bastante, só na trocação”, afirmou.

Decisão de assumir a orientação sexual

Inserido em uma sociedade, em grande parte, machista, Washington desabafou sobre a decisão de assumir sua orientação sexual. O paraense, então, falou sobre a reação dos companheiros de equipe.

PUBLICIDADE:

“Eu sempre agi naturalmente. Quando eu entrei, fui bem recebido pelo ex-UFC, Tiago Trator, pelo ‘Macaco’ (Ricardo Fonseca). A equipe toda (acolheu bem). Fizemos uma parceria e foi para frente. Há um bom tempo temos essa união e temos grandes vitórias”, disse.

PUBLICIDADE:

Preconceito

Com o sonho de brilhar no MMA, Dourado também conversou sobre o processo de recepção por parte dos fãs, e até adversários. O lutador narra sobre o cotidiano até os dias de hoje.

“Pensei bastante nessa situação. ‘O que os outros vão falar?’. Eu sempre pensava nisso. De um tempo para cá, pensei: ‘isso está errado’. Tenho os meus direitos. Vou atrás desse espaço que não. Alguém tem que dar a voz a uma classe em que as pessoas deixem respeito. A sexualidade não define a minha força, não vai definir meu potencial. Vou lá e mostro que faço e faço bem-feito. Os treinadores estão comigo. Sempre fui dedicado”, explicou.

Nada de medo

Após se tornar pioneiro e ser o primeiro homem assumidamente gay no MMA brasileiro, Washington falou sobre medo. O combatente afirma que sua decisão de expor sua orientação sexual não gerou medo de qualquer exclusão para possíveis lutas ou contratos com eventos.

“Não tive medo, de forma alguma. Eu já recebi apoio das pessoas. (…) Foi muito gratificante. Pensei um tempo, depois comecei a colocar em prática. Alguém tem que representar e, em algum momento, vou conseguir levar a bandeira LGBT para frente. Para as pessoas verem que a gente tem espaço”, garantiu.

 Convite os fãs

Após o desabafo, Washington Dourado tem um convite aos que acompanharam sua entrevista. O atleta tem compromisso marcado para o próximo mês.

“Vou fazer a defesa de cinturão (dos penas) em 14 de maio, em um dos melhores eventos da região, que é  o oitavo ‘Macaco Fight”, encerrou.

Podcast #68: Adesanya, Poatan e Volkanovski: Tudo sobre o UFC 276