Lombard leva suspensão de um por doping e ascende luz amarela para Anderson Silva

Caso do cubano veio a público na mesma semana do Spider; além de tempo fora, ex-atleta olímpico recebeu multa em dinheiro

H. Lombard (foto) foi flagrado pelo uso de DMT. Foto: Josh Hedges/UFC

H. Lombard (foto) foi flagrado pelo uso de DMT. Foto: Josh Hedges/UFC

Os advogados de Anderson Silva até conseguiram adiar o julgamento do doping do brasileiro, mas o ex-campeão dos médios recebeu um sinal de alerta nesta segunda-feira (23). A Comissão Atlética de Nevada, mesmo órgão que avaliará o caso do Spider, condenou o cubano Hector Lombard, cujo resultado do antidoping veio a público na mesma semana do teste de Anderson, a um ano de suspensão.

Veja Também

Sem medo, cheerleader da NFL dá receita para bater Ronda Rousey
UFC desmente informação sobre suspensão de 18 meses a Anderson Silva: ‘Apenas um rumor’
Comissão assume erro, mas não vai alterar vitória de Buscapé no UFC FN Rio
Wand reclama de ‘escravidão’no UFC e Dana White rebate: ‘Escravo de seu erro’

Lombard testou positivo para desoximetiltestosterona (DMT) depois do UFC 182, quando venceu Josh Burkman. O prazo final da suspensão será 3 de janeiro de 2016. Além dos 12 meses afastado, Lombard recebeu também uma multa de US$ 70,4 mil (R$ 222 mil, pela cotação atual), o valor equivale ao bônus recebido pela vitória mais um terço de sua bolsa. A vitória do cubano também foi revertida em um “No Contest” (luta sem resultado).

Durante a audiência, Hector se desculpou pelo ocorrido, mas negou ter feito uso voluntário da substância banida e alegou que pode ter sido vítima de contaminação. “Estou devastado por ter decepcionado meus fãs, o UFC, Dana White e Joe Silva. Peço desculpas a todos e ao meu adversário, Josh Burkman. Confiei em quem estava à minha volta e tomei o que me receitaram. Mas sei que sou responsável pelo que deixo entrar em meu corpo. Nunca falhei em nenhum exame, mesmo quando era atleta olímpico. Confiei em quem não deveria, fui um idiota. Só peço uma segunda chance”, declarou.

Relembre o caso de Anderson Silva

No dia 3 de fevereiro, poucos dias após vencer Nick Diaz no UFC 183, foi anunciado que Anderson Silva havia testado positivo para os esteroides anabolizantes drostanolona e androsterona em exame antidoping surpresa realizado no dia 9 de janeiro. Um segundo exame, feito no dia 19 do mesmo mês, não apresentou nenhum traço de substância ilegal. No exame pós-luta, no entanto, Anderson voltou a testar positivo para anabolizantes e, além disso, também para dois ansiolíticos, Oxazepam e Temazepam, remédios geralmente usados para combate da insônia e distúrbios do sono.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário