Em longo desabafo, Cyborg rebate de Ronda: ‘Sinto pena dela’

Brasileira publicou texto nas redes sociais nos quais fez uma "avaliação psicológica" da rival, a quem classificou como insegura

C. Cyborg (foto) seguirá no Invicta, mas deve se transferir pro UFC em breve. Foto: Reprodução/Twitter

C. Cyborg (foto) não gostou das recentes provocações de Ronda e desabafou no Facebook. Foto: Reprodução/Twitter

A brasileira Cris Cyborg voltou a ser alvo da campeã do UFC Ronda Rousey, que em recente entrevista não poupou provocações à rival e disse que ela não passa de um “monte de músculos e esteroides sem técnica”. Porém, diferentemente de outras oportunidades, Cyborg preferiu não responder na mesma moeda e adotou um tom mais comedido em sua réplica à desafeta, publicada em seu perfil oficial no Facebook.

Veja Também

Ronda volta a detonar Cyborg: ‘É só um monte de músculos e esteroides sem técnica’
UFC faz abaixo-assinado por legalização do MMA em Nova York
Wand comemora vitória contra Comissão nos tribunais: ‘Dia histórico para o esporte’
Anderson Silva aconselha Jon Jones: ‘Você precisa mudar tudo na sua vida’

“A Ronda Rousey continua falando besteiras. Quando ela começou a usar meu nome em entrevistas para construir seu próprio nome durante os tempos de Strikeforce, isso costumava me deixar louca. Entretanto, as coisas chegaram a um ponto que agora sinto pena dela”, escreveu a brasileira em parte de seu longo texto-desabafo publicado na rede social.

Porém, à medida que foi desenvolvendo sua resposta, a campeã peso pena do Invicta FC acabou não resistindo e alfinetando a rival, citando as recentes revelações da loira sobre o abuso de drogas e álcool no passado – após a derrota nos Jogos Olímpicos de 2008, em que acabou com a medalha de bronze no judô. “Deve haver uma razão para uma atleta de alto nível se entregar para ser vítima do abuso de substâncias, sejam analgésicos ou drogas alucinógenas. Eu acho que muita da atitude dela vem da insegurança que ela tem fora do octógono, longe das lutas”, disparou.

Em outro momento, Cyborg, de maneira surpreendente, até tentou adotar um tom de aconselhamento à rival. “Eu rezo para que Ronda possa encontrar a mesma felicidade que eu tenho, já que Deus tem abençoado minha vida dentro e fora do esporte de MMA”, diz o trecho.

Por fim, a brasileira também citou um hipotético, e aguardado, encontro com a rival dentro do octógono. “Se essa luta finalmente acontecer, eu não vou partir para o cinturão. É o espírito dela que eu vou quebrar, por todas as coisas ruins que ela disse sobre mim. Ela tornou esse um assunto pessoal e isso não é algo um adversário quer fazer contra mim”, sentenciou.

Confira abaixo, na íntegra, o desabafo publicado por Cyborg nas redes sociais:

Ronda Rousey continua falando besteiras.

Quando ela começou a usar meu nome em entrevistas para construir seu próprio nome durante os tempos de Strikeforce, isso costumava me deixar louca. Entretanto, as coisas chegaram a um ponto que agora sinto pena dela.

Você pode dizer que ela não é feliz na vida. Ela é campeã mundial no UFC e tem a mesma cara mal-humorada, não importa qual foto você veja dela.

Em praticamente toda entrevista que ela dá, ela está falando mal das pessoas, seja eu, a Miesha Tate, as ring girls ou um ex-namorado, e a única vez que ela está falando alguma coisa boa sobre alguém ela está falando sobre ela mesma (risos). Tenho certeza que nem mesmo ela acredita que tem o melhor bumbum do MMA.

Essa é uma garota com tão poucos amigos de verdade. Quer dizer, o UFC praticamente tem que implorar os lutadores para parabenizá-la no Twitter por estar na capa da Sports Illustrated.

Ela tem lutado para encontrar uma identidade fora do Judô e da luta, e usando seu dinheiro e popularidade para construir sua própria comitiva. Quantas dessas “horsewomen” estavam lá antes da carreira dela decolar? Elas vão continuar ajudando se ela não continuar pagando suas moradias e ajudando em suas carreiras. Só ela sabe essa resposta, mas deve haver uma razão para uma atleta de alto nível se entregar para ser vítima do abuso de substâncias, sejam analgésicos ou drogas alucinógenas. Eu acho que muita da atitude dela vem da insegurança que ela tem fora do octógono, longe das lutas.

Quando minha carreira acabar, eu ainda terei os mesmos amigos de antes de começar. Independentemente dessa luta contra a Ronda acontecer algum dia, eu posso retornar ao Brasil e continuar a viver minha vida abençoada com minha família, que me ama, em um país que admira tudo que eu já representei.

Eu rezo para que Ronda possa encontrar a mesma felicidade que eu tenho, já que Deus tem abençoado minha vida dentro e fora do esporte de MMA.

Se ela precisa continuar trazendo meu nome em entrevistas e constantemente me colocar pra baixo sobre minha aparência ou mesmo erros do passado, isso só me mostra o quanto ela segue sem confiança em si mesma.

Tem uma razão para ela dizer que só vai lutar comigo em 61,2 kg, apesar de dizer para quem quiser ouvir que ela venceria o Cain Velasquez, lutaria contra a Laila Ali ou qualquer coisa baboseira que ela soltar na próxima entrevista, e é porque quando ela perder para mim ela vai perder toda a sua identidade. Quando as câmeras não estiverem por perto e todos tiverem ido para casa, eu acho que ela é só, realmente, uma alma solitária e infeliz, e isso é um jeito triste de viver sua vida.

Eu sei a real razão dela não estar disposta a me enfrentar no peso casado e isso não tem nada a ver com meus erros do passado, e tudo a ver com o fato dela duvidar de si mesma.

Se essa luta finalmente acontecer, eu não vou partir para o cinturão. É o espírito dela que eu vou quebrar, por todas as coisas ruins que ela disse sobre mim. Ela tornou esse um assunto pessoal e isso não é algo um adversário quer fazer contra mim.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments