Defesa de Anderson Silva culpa ‘viagra’ por doping e pede absolvição do lutador

Em defesa escrita pelo advogado Michael Alonso, o doping teria sido causado pela contaminação de suplemento para 'melhorar a performance sexual'

A. Silva (foto) já tem sua defesa pronta para julgamento de doping. Foto: Josh Hedges/UFC

A. Silva (foto) já tem sua defesa pronta para julgamento de doping. Foto: Josh Hedges/UFC

A defesa de Anderson Silva já sabe em que se apoiar para tentar inocentar o brasileiro no julgamento de doping. A dois dias da primeira audiência na Comissão Atlética de Nevada, entidade responsável por julgar o caso, o time de advogados do Spider negou o uso consciente dos anabolizantes drostanolona e androsterona e o resultado positivo no teste foi causado pela contaminação de suplementos, incluindo um para “melhorar a performance sexual”.

Veja Também

Memes: ‘Viagra’ de Anderson Silva vira motivo de piada na internet
Ainda sem julgamento sobre doping, Anderson Silva projeta retorno ao UFC em dezembro
Audiência sobre doping de Anderson Silva acontecerá no dia 13 de agosto
Lutador do UFC causa polêmica e insinua que brasileiros usam esteroides
Inconsistência nos resultados de antidoping pode inocentar Anderson Silva, diz site

Em um trecho da defesa escrita pelo advogado Michael Alonso, e obtida pelo site do canal Combate, o defensor diz que Anderson estava “usando um medicamento com a finalidade de melhorar o desempenho sexual e testes revelaram que o suplemento estava contaminado com um agente drostanolona”. O advogado também relatou na defesa que outro suplemento consumido pelo brasileiro estava contaminado com androsterona.

Alonso, por outro lado, admite que o Spider consumiu ansiolíticos na véspera da luta, por ansiedade e insônia, mas sem o intuito de melhorar sua performance.

Plano B

Além da possibilidade de contaminação, os advogados de Anderson trabalham em uma segunda linha de defesa: desqualificar os testes positivos colhidos pelo  laboratório Sports Medicine Research and Testing Laboratory (SMRTL). Em provas realizadas pelo Quest Diagnostics não foi encontrada a presença de nenhum anabolizante. Com base na inconsistência dos resultados, os advogados encerram o documento pedindo a absolvição do lutador.

Doping de Anderson Silva

No dia 3 de fevereiro, poucos dias após vencer Nick Diaz no UFC 183, foi anunciado que Anderson Silva havia testado positivo para os esteroides anabolizantes drostanolona e androsterona em exame antidoping surpresa realizado no dia 9 de janeiro. Um segundo exame, feito no dia 19 do mesmo mês, não apresentou nenhum traço de substância ilegal. No exame pós-luta, no entanto, Anderson voltou a testar positivo para anabolizantes e, além disso, também para dois ansiolíticos, Oxazepam e Temazepam, remédios geralmente usados para combate da insônia e distúrbios do sono.

Recentemente, foi noticiado que um dos testes positivos do Spider apresentou resultados inconsistentes quando analisado por outro laboratório, mas informação não foi comentada pelo lutador, sua equipe, o Ultimate ou a própria Comissão.

Aos 40 anos, Anderson Silva tem um cartel profissional de 34 vitórias e seis derrotas.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments