Faber acusa Ludwig de racismo, extorsão e preconceito contra mulheres

Líder da Team Alpha Male expôs publicamente suas diferenças com o ex-treinador da equipe durante entrevista nos EUA

Faber (foto) reviveu as rusgas do passado com Duane Bang. Foto: Josh Hedges/UFC

Faber (foto) reviveu as rusgas do passado com Duane Bang. Foto: Josh Hedges/UFC

Desde que Duane “Bang” Ludwig deixou o comando técnico da Team Alpha Male foram escancarados os problemas de relacionamento entre o treinador e líder da equipe, Urijah Faber. Porém, nesta segunda-feira (21), Faber levou a rixa com Ludwig a um nível completamente diferente ao acusá-lo, entre outras coisas, de racismo, extorsão e preconceito contra as mulheres da academia.

Veja Também

Belfort critica modelo atual e sonha com salário mensal no MMA
Site revela que Belfort fez luta no UFC em 2012 mesmo após apresentar exame irregular
Ex-campeão do UFC: ‘Só voltaria ao MMA para enfrentar Dana White ou Donald Trump’
Audiência para acordo judicial de Jon Jones tem data marcada

“Antes de mais nada, Duane se recusa a trabalhar com qualquer atleta do sexo feminino. Ele disse: ‘Eu só queria dizer que não apoio o MMA feminino. Eu não vou trabalhar com ninguém. Não vou treinar a Paige, a Nick ou a Veronica. Eu não acredito nisso’. Esse foi um problema. O segundo problema foi que ele estava dizendo coisas racistas. E essas coisas não são piadas só porque você ri delas, especialmente se elas machucam as pessoas. E dois caras negros, que faziam parte do nosso time, me chamaram e contaram: ‘Está ficando desconfortável. É até engraçado quando ele diz uma vez: Todos os caras negros para o final da fila. Mas ele tem dito isso todo dia’. E aí outro cara me disse: ‘Toda vez que estou falando com uma garota na academia, Duane grita lá do outro lado: ‘Ei, seu mais ou menos, todos os caras negros têm que ficar pelo menos oito metros de distância das mulheres’. Eu entendo, ele acha que é engraçado, mas ele fica fazendo isso toda hora e está realmente me irritando'”, disparou Faber, durante sua participação no podcast “The MMA Hour”.

Além disso, Faber também lembrou de um episódio no qual Duane teria, supostamente, exigido dinheiro de um dos sócios da academia sem o seu conhecimento. “Na primeira luta que ele entrou no meu córner, eu tenho um sócio, o Scott, que é o dono da Torque e mora no Texas, e o Duane queria usar a sua própria camiseta no meu córner, mas ela tinha uma marca concorrente. Eu pedi para ele falar com o meu sócio muito antes do combate, para o meu sócio liberar e não ficar irritado. Perguntei se ele não podia usar uma camiseta dele, da Duane Bang, ou algo assim. Então, chegou o dia da luta, e, 30 minutos antes de lutar, eu tive que dar o telefone para ele e dizer: ‘Aqui, se você puder, liga para ele e peça a autorização dele. Se ele te der o ok, você pode usar’. Aparentemente, e eu só fiquei sabendo disso depois, o Duane tentou fazer meu sócio lhe pagar US$ 300 para usar a minha camiseta no meu córner. Eu fiquei perplexo”, disse.

Mesmo após ser eleito o “Treinador do ano de 2013” no World MMA Awards, o “Óscar do MMA”, e levar TJ Dillashaw ao título dos pesos galos, Duane Ludwig deixou o comando técnico da Team Alpha Male, sem maiores explicações, e fundou sua própria equipe no Colorado: a Ludwig Martial Arts.

Relembre quando Faber e Ludwig se davam bem na TAM:

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments