Prestes a disputar o título, Gustafsson critica acordo entre UFC e Reebok: ‘Triste de ver’

Sueco justificou sua posição dizendo que os patrocínios locais são muito importantes para atletas iniciantes

Gustafsson (foto) foi mais um atleta a criticar contrato de material esportivo. Foto: Josh Hedges/UFC

Gustafsson (foto) foi mais um atleta a criticar contrato de material esportivo. Foto: Josh Hedges/UFC

No próximo dia 3 de outubro, o sueco Alexander Gustafsson terá sua segunda chance de conquistar o cinturão dos meio-pesados diante do campeão Daniel Cormier e, por isso, graças ao novo acordo entre UFC e Reebok, receberá US$ 30 mil (cerca de R$ 120 mil, pela cotação atual) da fornecedora de material esportivo. Apesar disso, o cheque gordo por seu patrocínio não impediu Gustafsson de tecer duras críticas ao contrato de exclusividade e deixar sua reclamação com relação à política de pagamento aos atletas.

Veja Também

Gustafsson revela ter pensado em se aposentar, mas comemora ‘segunda chance’ no UFC
Cormier se vê em vantagem psicológica para luta com Gustafsson
Fedor justifica escolha por evento japonês: ‘Rica história’
Cummins vive dia de ‘entregador’ e surpreende fã com ingresso do UFC SP

“Deveriam pagar aos lutadores muito mais dinheiro. Por todo o trabalho duro e sacrifícios que os lutadores geralmente fazem para lutar, acho que são mal pagos. A mesma coisa é com relação a Reebok. Eu não tenho nada contra isso, mas por que tirar pequenos patrocinadores de atletas que não se estabeleceram na organização? Eles passam por uma situação difícil, por que tirar o que os ajuda a pagar o aluguel e contas? Estão realmente espremendo todo o dinheiro dos lutadores que ainda não se firmaram, é triste de ver”, disse o sueco, em entrevista ao site norte-americano “MMA Junkie”.

Gustafsson justificou seu ponto de vista falando sobre a importância que vê nos patrocinadores locais para os atletas. “É difícil, alguns lutadores não têm escolha, precisam do esporte para sobreviver, outros não. Mas eu continuo achando que o maior apoio que se pode ter é de patrocinadores locais, para que os atletas fiquem mais tempo em treinamento e façam o esporte se desenvolver. Este acordo com a Reebok não ajuda os lutadores”, explicou.

Após ganhar fama quase instantânea ao fazer a “Luta do Ano de 2013” contra Jon Jones, Alexander Gustafsson agora tentará novamente conquistar o título dos meio-pesados, desta vez contra Daniel Cormier. O duelo entre Gustafsson e Cormier será a luta principal do UFC 192, evento marcado para o próximo dia 3 de outubro, em Houston (EUA).

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments