Dana White admite: ‘Jon Jones poderia ter sido a maior estrela de todos os tempos’

Em seu podcast, o presidente do Ultimate ressaltou as qualidades do ex-campeão, mas lamenta que o lutador não se esforçou para a maior estrela em artes marciais mistas

J. Jones não tem data para voltar ao octógono do UFC. Foto: Reprodução / Twitter / UFC

Com uma das mais impressionantes carreiras do MMA, Jon Jones é ex-campeão meio-pesado do UFC e em 23 lutas profissionais tem apenas uma derrota para Matt Hamill em 2009. Atualmente o que chama mais atenção é sua vida fora do octógono, por isso, o presidente do UFC, Dana White no Podcast “MMARoasted” afirmou que o lutador poderia ter sido a maior estrela nas artes marciais mistas, se não tivesse se sabotado.

“O que é realmente frustrante é, imagine se esse cara tentasse. Imagine se ele tentasse só um pouquinho. Imaginem como incrivelmente incrível esse cara poderia ter sido. Ele poderia ter sido a maior estrela de todos os tempos”, disse White.

Veja Também

Jon Jones ainda se considera campeão, com ou sem o cinturão
Dana White planeja super luta de Jon Jones contra Brock Lesnar
Técnico de Jones ‘prevê’ trilogia com Cormier pelo título pesado

Antes de conquistar o cinturão dos meio-pesados, em 2011, Jones se envolveu em um acidente de trânsito, e polícia o inocentou de culpa no acidente. Uma mulher que dirigia o outro carro ter sido levada de maca para o hospital. Em 2012, já campeão meio-pesado foi preso por acidente e embriaguez ao volante. Duas mulheres que estavam com ele no carro sofreram lesões no incidente. O lutador foi liberado após pagar fiança de mil dólares e passou por um curso de reciclagem para reaver a carteira de motorista.

Jon Jones voltou a ter problemas com a lei em 2016 quando foi pego dirigindo em alta velocidade sem habilitação e seguro. Dias depois, o campeão foi fichado pela polícia de Albuquerque por violar os termos de sua liberdade condicional ao receber cinco multas por participar de um racha. Ele perdeu a carteira de motorista e foi sentenciado a um curso de controle de raiva, nova reciclagem de direção e mais 60 horas de serviço comunitário.

Além dos problemas com a justiça, Jones teve três exames antidoping positivos. Após Jones vencer Cormier pela primeira vez, no UFC 182 em 2015, “Bones” falhou pela primeira vez num exame antidoping por uso de cocaína. Em 2016, Jon flagrado pela segunda vez num exame antidoping após vitória com vitória sobre Ovince St-Preux. Ele comprovou em julgamentos que havia sido vítima da contaminação de um estimulante sexual. A última foi em 2017 após vencer Daniel pela segunda vez. Ele foi flagrado com esteroide anabolizante turinabol.

“Toda a história de Jon Jones me deixa louco. Honestamente, Jon Jones, ele é o maior de todos os tempos, ele é o maior de todos os tempos”, declarou Dana.

Dana White garantiu que Bones poderia ter sido a maior estrela em artes marciais mistas e teria alcançado marcas incríveis na carreira.

“Deus sabe o que ele teria realizado na divisão dos meio-pesados ​​e, em seguida, na divisão dos pesos pesados. Talvez ele tivesse um recorde de defesa do título no meio-pesado que nunca teria sido quebrado… tudo o que esse cara poderia ter sido inacreditável”, lamenta White.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário