Cinco motivos para assistir o UFC 208, neste sábado

Entre no clima do UFC 208 e saiba porque você não pode deixar de acompanhar o evento que marca a volta de Anderson Silva

Anderson retorna ao octógono contra D. Brunson. (Foto: Getty Images)

Anderson retorna ao octógono contra D. Brunson. (Foto: Getty Images)

O Ultimate desembarca em Nova York (EUA) para o UFC 208, evento que acontece neste sábado (11), e marca o retorno de Anderson Silva ao octógono, O Spider enfrenta o perigoso Derek Brunson, na segunda luta mais importante da noite. Na atração principal do show, Holly Holm e Germaine De Randamie disputam o cinturão inaugural do peso pena feminino (até 66 kg).

Veja Também

A. Silva (foto) é um dos maiores de todos os tempos Foto: Josh Hedges
Cinco melhores momentos da carreira de Anderson Silva no UFC
Anderson é azarão contra Brunson. (Foto: Getty Images)
Anderson Silva é azarão contra Brunson nas apostas para o UFC 208
UFC 208 acontece neste sábado (11), no Brooklyn (EUA). (Foto: Divulgação)
Palpites: UFC 208 – Anderson Silva x Derek Brunson e Holly Holm x De Randamie

Ainda no card principal, Ronaldo Jacaré, terceiro no ranking dos médios (até 84kg) e de olho na disputa de título da categoria, enfrenta Tim Boestch, enquanto Glover Teixeira mede forças com a promessa Jared Cannonier. Já na porção preliminar, destaque para mais dois brasileiros: Wilson Reis e Roan Jucão, que enfrentam Yuta Sasaki e Ryan LaFlare, respectivamente.

Para você entrar no clima do UFC 208, o SUPER LUTAS preparou cinco motivos para você assistir o evento.

1 – O retorno de Anderson Silva 

Qual será a postura adotada por Anderson Silva contra Derek Brunson: sério e compenetrado ou abusará, mais uma vez, das suas tradicionais provocações? Essa talvez seja a maior dúvida em relação ao retorno do Spider, que tentará quebrar o incômodo jejum de quatro anos e quatro meses sem vitórias – cinco jogos. Desde que nocauteou Stephan Bonnar no UFC 153, em outubro de 2012, o brasileiro foi derrotado por Chris Weidman (duas vezes), Michael Bisping e Daniel Cormier, além de uma luta sem resultado contra Nick Diaz.

Agora, contra o perigoso Brunson, oito anos mais jovem, o ex-campeão dos médios quer deixar o retrospecto ruim para trás e recomeçar sua corrida por uma última chance ao cinturão da categoria. Na 7ª colocação no ranking, Anderson tem poder de barganha o suficiente para ganhar um novo title shot se der show no octógono. Se levarmos em consideração a rivalidade com Michael Bisping, atual campeão, o cenário ganha ainda mais força.

Podemos afirmar, sem medo de errar, que o duelo no UFC 208 é tudo ou nada para o Spider. É vencer ou vencer se ainda quiser, aos 41 anos, voltar a figurar entre os melhores do mundo. Alguém duvida que ele é capaz?

2 – Holly Holm e a chance de entrar para história 

Holm, ex-campeã dos galos, vai disputar o cinturão dos penas. (Foto: Getty Images)

Holm, ex-campeã dos galos, vai disputar o cinturão dos penas. (Foto: Getty Images)

Ao pisar no octógono neste sábado, Holly Holm terá a oportunidade de cravar seu nome na história do UFC como a primeira mulher a conquistar títulos de duas categorias diferentes da organização. Em novembro de 2015, chocou o mundo ao atropelar Ronda Rousey e ganhar o cinturão peso galo. Agora, contra Germaine De Randamie, tem a chance de se tornar a campeã peso pena.

No entanto, engana-se quem pensa que o feito, caso alcançado, será uma novidade na trajetória da loira, uma vez que a mesma sagrou-se campeã em categorias diferentes de peso no boxe. Aos 31 anos, em 2013, Holm deixou a carreira de pugilista no passado com um incrível cartel com 33 vitórias, duas derrotas e três empates.

Voltando ao MMA, Holly não atravessa boa fase, com duas derrotas consecutivas, mesmo tendo sido considerada favorita. Se a ex-campeã dos galos vai escrever seu nome nos livros novamente, saberemos logo mais. Porém, é bom não duvidarem dela, como indicam as casas de apostas, que apontam De Randamie como favorita para o duelo. Afinal, surpreender os prognósticos está se tornando uma costume na carreira da norte-americana, para o bem ou para o mal…

3 – Ronaldo Jacaré de olho no cinturão 

Jacaré quer a vitória para disputar o cinturão dos médios. (Foto: Getty Images)

Jacaré quer a vitória para disputar o cinturão dos médios. (Foto: Getty Images)

Vinte entre vinte pessoas estranharam quando o UFC anunciou que Ronaldo Jacaré, cotado para disputar o cinturão dos médios, foi casado contra Tim Boestch, 13º no ranking. Mas a real é que o brasileiro ficou sem escolha após ver seu algoz Yoel Romero ser alçado ao posto de desafiante do campeão Michael Bisping: ou aceitava o duelo, independente do adversário, ou permanecia na geladeira – não luta desde maio de 2016.

Neste sábado, não é exagero nenhum afirmarmos que as chances de Jacaré anotar mais uma vitória fulminante em seu cartel são enormes, exceto se a famosa zebrinha – nesse caso, zebra das grandes – der as caras, afinal, é de conhecimento geral que americano tem punhos capazes de resolver a parada em um golpe singular. Se anotar o sétimo triunfo na companhia, qual será o próximo passo do campeão mundial de jiu-jítsu?

Enfrentar o vencedor de Bisping x Romero? Ver seu amigo pessoal ‘Spider’ furar a fia? Realizar mais uma luta antes de disputar o título? As perguntas são muitas, mas as respostas ainda são um mistério. Resta a Jacaré, no auge de seus 37 anos, continuar sua caminhada da mesma maneira eficiente que trilhou até aqui: correspondendo dentro do octógono.

4 – A chance de redenção para Glover Teixeira

Glover quer retornar ao caminho das vitórias. (Foto: Getty Images)

Glover quer retornar ao caminho das vitórias. (Foto: Getty Images)

Ser nocauteado já é um fato ruim por si só, mas ser nocauteado em apenas 13 segundos é, com certeza, ainda mais frustrante. E Glover Teixeira sentiu na pele a ingrata experiência quando foi apagado por Anthony Johnson no UFC 202, em agosto de 2016. Para piorar, o combate valia como eliminatória para o posto de próximo desafiante ao cinturão dos meio-pesados.

Contudo, apesar do baque recente, Glover ainda é um integrante legítimo da elite até 93kg. Número 3 no ranking, o mineiro, que já disputou o título contra o ex-campeão Jon Jones, em 2014, já despachou oito nomes na organização, sete deles pela via-rápida (quatro nocautes e três finalizações), o que mostra o quão completo é o jogo do brasileiro, dono de um jiu-jitsu refinado e punhos pesados.

Aos 37 anos, o duelo contra o desconhecido Jared Cannonier pode ser um divisor de águas para o brasileiro. Em caso de vitória, iniciará, pela terceira vez, sua escalada pelo title shot. Se for surpreendido, terá que se contentar com o status de ‘porteiro’ do top 5.

5 – Mais Brasil em ação  

Reis (esq) e Jucão (dir) estarão em ação no card preliminar. (Foto: Getty Images)

Reis (esq) e Jucão (dir) estarão em ação no card preliminar. (Foto: Getty Images)

Primeiro brasileiro a subir no octógono, o experiente Roan ‘Jucão’ Carneiro, 38 anos, estreou no UFC há dez anos, no longínquo ano de 2007. Em sua primeira passagem, acumulou duas vitórias e três derrotas, que culminaram em sua demissão. Após sete vitórias em eventos menores, recebeu, no início de 2015, uma segunda chance na organização. E chegou causando boa impressão: finalizou Mark Munhoz em menos de dois minutos, em duelo válido pela categoria dos médios.

Na sequência, no entanto, sucumbiu diante de Derek Brunson e foi nocauteado ainda no primeiro round. Para retomar o caminho das vitórias, Jucão revolveu cortar 7kg e se aventurar na categoria de baixo. Na estreia nos meio-médios, vitória por decisão dividida contra o limitado Kenny Robertson. Agora, contra Ryan LaFlare, o carioca precisa do triunfo para voltar a figurar entre os protagonistas.

De quase desafiante ao card preliminar. Essa foi a situação vivida por Wilson Reis no UFC 201, em julho de 2016, quando estava agendado para enfrentar o campeão Demetrious Johnson, mas uma lesão do rei dos moscas impediu que o duelo ocorresse. Sendo assim, o brasileiro foi escalado contra o estreante Hector Sandoval, a quem despachou em pouco mais de um minuto.

Número cinco no ranking da divisão, Reis, 32 anos, terá que passar pelo japonês Yuta Sasaki para provar, mais uma vez, que merece um lugar entre os melhores do peso. Com duas vitórias consecutivas na franquia (cinco, no total), um terceiro resultado positivo pode render a Wilson uma nova oportunidade de realizar o sonho de qualquer lutador: disputar o cobiçado cinturão do UFC.

Ficha técnica do UFC 208

DATA E HORÁRIO: 11/02/2017, a partir de 21h30 (horário de Brasília)

LOCAL: Barclays Center, Brooklyn, Estados Unidos

TRANSMISSÃO: Canal Combate (todo o card) e Rede Globo (lutas principais)

CARD PRINCIPAL 

Peso pena: Holly Holm x Germaine De Randamie

Peso médio: Anderson Silva x Derek Brunson

Peso médio: Ronaldo Jacaré x Tim Boestch

Peso meio-pesado: Glover Teixeira x Jared Cannonier

Peso leve: Dustin Poirier x Jim Miller

CARD PRELIMINAR

Peso meio-médio: Randy Brown x Belal Muhammad

Peso mosca: Wilson Reis x Yuta Sasaki

Peso leve: Nik Lentz x Islam Makhachev

Peso mosca: Ian McCall x Jarred Brooks

Peso pesado: Marcin Tybura x Justin Willis

Peso médio: Ryan LaFlare x Roan Jucão

Peso pena: Rick Glenn x Phillipe Nover

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário