Holly Holm elogia Amanda Nunes, mas diz: ‘Não sou Cyborg e nem Shevchenko’

Ex-campeã das galos afirma talento de brasileira, mas se diz diferente das últimas adversárias da 'Leoa' e acredita em vitória no UFC 239

H. Holm (foto) acredita que pode derrotar A. Nunes. Foto: Reprodução/Facebook ufc

A note-americana Holly Holm terá, pela terceira vez, a chance de conquistar um título pelo UFC. A atleta enfrenta a brasileira Amanda Nunes pelo título das galos (até 61,2kg.) no UFC 239, em 6 de julho e, apesar de mostrar respeito à ‘Leoa’, se diz capaz de recuperar o cinturão que já foi seu. A declaração foi feita em entrevista recente ao ‘MMA Junkie’.

Saiba mais

Glover Teixeira enfrenta Nikita Krylov no UFC Vancouver, em setembro
Amanda Nunes afirma que Cris Cyborg se recusou a enfrentá-la em revanche
Ex-campeões meio-médios, Colby Covington e Robbie Lawler se enfrentam em agosto, diz site

“Esta é uma luta totalmente diferente. Ela é ótima? Sim. Estou enfrentando uma grande lutadora? Sim. Este não seria um grande combate se ela não tivesse realizado grandes feitos. Então, sim. É um embate gigante, mas estou pronta para isso. Tenho trabalhado muito duro e é isso que estou fazendo. Estou trabalhando para vencer”, declarou Holm.

A ‘Filha do Pastor’ ainda comentou sobre as últimas adversárias de Nunes, justificando que cada combate é diferente entre si. Para Holm, o duelo entre Amanda contra Cris Cyborg e Valentina Shevchenko (últimas adversárias da brasileira) é diferente do que acontecerá em julho.

“Cada luta faz a diferença.  Minha luta contra Cyborg é diferente da luta entre Amanda e Cyborg. Você pode ver as coisas de muitas maneiras diferentes. Você pode olhar para algo como Shevchenko e Nunes, onde Shevchenko deu a ela um momento difícil onde ela era muito técnica”, declarou Holm.

Holly ainda continuou suas reflexões. Para ela, o fato de Amanda ter passado por um momento mais complicado em seu combate contra Valentina prova que um combate é totalmente diferente de qualquer outro que possa acontecer.

“Quando você olha alguém como Cyborg, que foi campeã das penas (até 65,7kg.) e Shevchenko, campeã das moscas (até 56,7kg.), você vê que Amanda nocauteou uma atleta maior (Cris) e teve mais dificuldades contra uma oponente mais leve. Então, você nunca pode olhar uma luta como se fosse ser semelhante à outra. Cada lutadora é diferente. Não sou Cyborg e não sou Shevchenko. Eu sou Holly Holm”, finalizou a ex-campeã.

A norte-americana, apesar de ter novamente a chance de disputar a cinta das galos do UFC, não viveu um grande momento na companhia. Em seus últimos seis combates, Holm conseguiu conquistar apenas duas vitórias. A última, sobre a australiana Megan Anderson no UFC 225, por decisão unânime dos juízes, em junho do ano passado.

A ‘Leoa’, vem na melhor fase de sua carreira. Dona de dois cinturões do Ultimate, a atleta, em seu último combate, destronou a lendária Cris Cyborg em uma luta que chocou o mundo. Na ocasião, Amanda nocauteou a temida curitibana com menos de um minuto de peleja.

 

Deixe seu comentário