Wanderlei Silva sobre enfrentar Tyson no ‘boxe sem luvas’: ‘Ele nunca lutou na mão seca’

Lenda do MMA fala sobre a proposta de encarar um dos maiores nomes do boxe de todos os tempos no ‘Bare Knuckle FC’

Nesta semana, a notícia de que Wanderlei Silva poderia ser o nome para enfrentar Mike Tyson no retorno do ‘Homem de Aço’ às lutas após mais de 10 anos de inatividade tomou conta do universo das lutas. Conhecido mundialmente por sua história vitoriosa no MMA, o ‘Cachorro Louco’, em conversa com o jornalista Laerte Viana, com exclusividade ao canal no YouTube do SUPER LUTAS, falou sobre a proposta recebida pelo presidente do ‘Bare Kuckle FC’.

Veja Também

UFC planeja revanche entre Jéssica Andrade e Rose Namajunas para 11 de julho, na ‘Ilha da Luta’
Com Amanda Nunes na luta principal, Ultimate divulga card do UFC 250 para 6 de junho
Gaethje não trocaria desafio pelo cinturão por um confronto com McGregor: ‘Não sou esse lutador’

“Quando me contactaram eu disse: ‘Para lutar no seu evento, tem que ser um cara expressivo, um cara bom, mais ou menos da minha idade e que tenha um nome legal, que valha a pena todo empenho’. E o cara me veio esse nome (Mike Tyson). Aí você veio com o gato e o sete de copas (risos)”, contou Wand.

‘Cachorro Louco’ x ‘Iron’ Mike

Conhecido por ter enfrentado grandes nomes das artes marciais mistas e sempre promover espetáculos com um alto nível de violência, Silva ainda brincou ao informar que foi perguntado se temeria um confronto contra a lenda do boxe.

“Primeiramente, ele (David Feldman, presidente do Bare Knuckle) me perguntou se eu teria coragem de fazer. Eu respondi: ‘Você teria que perguntar para ele (Tyson) se ele teria coragem de fazer comigo, porque eu já lutei na ‘mão seca’ (sem luvas) e ele nunca fez. Seria uma grande honra para mim”, afirmou o brasileiro.

Combate milionário

Além da possibilidade de ver dois grandes nomes dos esportes de combate trocando forças sobre uma arena de batalha, outro ponto que chamou a atenção foram os valores que teriam sido oferecidos aos lutadores para que o show acontecesse. Wanderlei explicou que também ficou surpreso com a quantia, algo inédito até para quem faturou muito durante mais de 20 anos de carreira.

“(Sobre a bolsa) isso é o que foi mais surpreendente. Quando se fala em Mike Tyson, o pessoal já fala em valores que, em termos de Brasil, eu nunca tinha ouvido nessa proporção. Ofereceram US$20 milhões (cerca de R$108, 6 milhões) para o Mike Tyson e podemos te oferecer metade disso (US$10 milhões, que se aproximam de R$54,3 milhões – de acordo com a cotação atual do dólar), além de uma pequena porcentagem do pay-per-view. Eu falei: ‘Tá bom. Estava sentado sem fazer nada. Dá para passar esse restinho de ano bem (risos)”, brincou o atleta.

Existe data prevista?

Embora não exista sequer uma declaração de Tyson sobre atuar pelo Bare Knuckle, David Feldman e sua equipe estão confiantes de que o espetáculo possa acontecer ainda este ano. Mesmo sem poder cravar uma data, Silva falou sobre quais seriam os planos para a organização na promoção do duelo.

“Falaram que talvez fosse em Miami (EUA), no fim do ano (2020). Mas, agora, com esse negócio da pandemia (do coronavírus), está tudo dando uma guinada”, declarou o ‘Cachorro Louco’.

Mentor de Wand treinando Tyson

Para quem acompanha a carreira de Wanderlei, sabe que o lutador foi, durante toda a sua carreira, treinado pelo prestigiado Rafael Cordeiro, líder da ‘Kings MMA’. Um dos grandes responsáveis por elevar as qualidades do brasileiro e levá-lo ao topo do esporte durante o início dos anos 2000, foi o mestre de Silva quem protagonizou, junto a Mike, o vídeo em que o pugilista reapareceu praticando manopla.

Silva entende que é papel de Cordeiro preparar Tyson, mas, em tom extrovertido, tratou de ‘proibir’ que seu amigo e treinador ficasse responsável por instruir Mike durante a suposta luta.

“Falaram que o Rafael vai treinar ele e ficar no córner dele. Eu falei: ‘Treinar ele, pode treinar – eu não estou lá para treinar com ele. Eu não posso impedir o cara -, mas não pode ficar no córner (risos)”, disse Silva, antes de completar. Amigo é amigo, negócio é negócio. Eu não sei se eu perderia a oportunidade de treinar o Mike Tyson. É um negócio irrecusável”, finalizou.

Mesmo com todas as notícias que saíram na imprensa nos últimos dias, ainda não há uma posição do ex-campeão mundial de boxe sobre quando, onde, contra quem e qual modalidade será disputada sua luta de retorno. No último final de semana, o norte-americano havia afirmado que a informação correta seria divulgada até o fim do mês, porém, até o momento, não há nada concreto.

Históricos das lendas

Mike, hoje, está com 53 anos e é conhecido como um dos melhores boxeadores de todos os tempos. O atleta assombrou a ‘Nobre Arte’ no fim dos anos 80 e anos 90. Sua última luta aconteceu em junho de 2005, quando foi derrotado por Kevin McBride. Ao todo, ‘Iron’ Mike Tyson disputou 58 lutas, conquistando 50 vitórias – 44 por nocaute -, seis derrotas e dois confrontos sem resultados. Em sua carreira, o norte-americano conquistou os cinturões da WBC (Conselho Mundial de Boxe), WBA (Associação Mundial de Boxe) e IBF (Federação Mundial de Boxe).

O brasileiro, que hoje está com 43 anos, não luta desde seu revés para Quinton Jackson, atuando pelo Bellator, em setembro de 2018. Conhecido como um dos maiores nomes do extinto PRIDE, Silva tem um cartel de 51 lutas como profissional no MMA. O atleta soma 35 triunfos, 14 derrotas, um empate e uma luta sem resultado. No início dos anos 2000, Wand chegou a ser considerado um dos homens mais temidos do mundo e, ainda hoje, é uma lenda no Brasil e Japão, onde conquistou suas maiores vitórias.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments