Com Khabib fora, Justin Gaethje desafia McGregor para luta por cinturão: ‘Estou aqui’

Derrotado pelo russo no UFC 254, norte-americano diz não ter lesões e projeta retorno rápido ao octógono; irlandês é primeira opção

J. Gaethje (foto) foi derrotado por K. Nurmagomedov no UFC 254. Foto: Reprodução/Instagram

Derrotado por Khabib Nurmagomedov no UFC 254, realizado no último sábado (24), em Abu Dhabi, Justin Gaethje não quer saber de descanso. Após perder a chance de unificar o cinturão dos leves (até 70,3kg.) contra o lendário russo, o norte-americano projeta um retorno rápido ao octógono e já tem o alvo ideal para tentar chegar ao topo absoluto da categoria.

Veja Também

Khabib apaga Justin Gaethje, unifica cinturão no UFC 254 e anuncia a aposentadoria no MMA
Sensibilizado com a aposentadoria de Khabib no UFC 254, Cormier celebra a carreira do amigo: ‘Maior de todos!’
Surpreso com aposentadoria de Khabib no UFC 254, GSP o enaltece: ‘Talvez seja o melhor da história’
VÍDEO: Assista à finalização de Khabib Nurmagomedov sobre Justin Gaethje no UFC 254

“Com Khabib se aposentando, sou o número um. (Dustin) Poirier e (Conor) McGregor vão lutar. Eles não tornaram oficial, então, se McGregor quiser saltar (o confronto) e pegar o cinturão, eu estou aqui”, afirmou Justin, em entrevista à ‘ESPN’.

Antigo campeão interino da categoria, Gaethje se apoia na popularidade de McGregor, que já ostentou o cinturão da divisão, para conquistar mais uma luta pelo título. O irlandês, no entanto, tem acordo verbal para se testar contra Poirier em evento que deve acontecer em 23 de janeiro, em Las Vegas.

Conor não se apresenta desde a vitória sobre Donald Cerrone, em janeiro deste ano. Em 2020, o irlandês chegou a anunciar sua aposentadoria, após insatisfação com o UFC. O ‘Notório’, no entanto, voltou atrás e negocia o embate contra Dustin, que também tem um cinturão (interino) da categoria em sua prateleira.

Sem se abalar após o revés, Justin, que foi ‘apagado’ com uma finalização no segundo round, afirmou que segue motivado na tentativa de fazer história na divisão.

“Eu levei provavelmente dois ou três grandes golpes na cabeça. Quando você é ‘apagado’ – eu não sou médico -, acredito que não há consequências sérias. Amo isso, e tem um cinturão livre agora”, finalizou.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments