Inspirada em Rocky Balboa, Jennifer Maia quer transformar fantasia em realidade contra Shevchenko no UFC 255

Brasileira se apoia em história motivacional de personagem interpretado por Sylvester Stallone nos cinemas; em entrevista exclusiva ao SUPER LUTAS, curitibana falou sobre a expectativa para o confronto deste sábado

J. Maia (foto) terá o desafio de desbancar V. Shevchenko no UFC 255, pelo cinturão no peso mosca. Foto: Reprodução/Instagram

Perto da luta mais importante de sua carreira, Jennifer Maia está a um passo de fazer história no MMA. Neste sábado (21), em Las Vegas (EUA), pelo UFC 255, a curitibana trocará forças contra a perigosa Valentina Shevchenko na disputa pelo cinturão do peso mosca (até 56,7kg.) e tentará calar os críticos, batendo a atual campeã, favorita nas casas de apostas. Em entrevista exclusiva ao SUPER LUTAS, o brasileira falou sobre a expectativa para o confronto e analisou sua situação com a de Rocky Balboa, personagem icônico do cinema.

Veja Também

Como assistir o UFC 255, com Deiveson Figueiredo e Jennifer Maia lutando pelo cinturão, AO VIVO pela televisão e internet
Para se firmar na história, Deiveson revela planos de enfrentar Garbrandt e Henry Cejudo
Com luta no sábado, Shogun reconhece distância do cinturão, mas afirma: ‘Nunca estive tão bem’

Considerada ‘azarão’ contra um dos maiores nomes da história recente do MMA feminino, Maia entende que estará sob os holofotes de todo o mundo na luta co-principal. Contra uma adversária de alto nível, a brasileira, então, sabe que um resultado positivo a colocará em posição de grande destaque no esporte, além de levar o título.

Início da carreira

Profissional nas artes marciais mistas desde 2009, a história de Jennifer se confunde com a de muitos atletas que sonham em um dia calçar as luvas do Ultimate. Diante do maior desafio de sua carreira até o momento, a brasileira falou como começou no esporte o que motivou a se juntar ao MMA.

“Eu comecei a treinar muay thai com 15 anos, me identifiquei com o esporte e comecei a fazer várias lutas de muay thai e boxe. Chegou um certo tempo em que o esporte em evidência era o MMA. Isso fazia uns dois anos que eu lutava, então, uns quatro anos de treino. Pensamos que só com o muay thai, talvez eu não seria uma lutadora tão reconhecida como eu sou agora”, contou a combatente.

Preparação para o UFC 255

Vindo de vitória sobre Joanne Calderwood, Jennifer carimbou o passaporte para encarar Valentina após um verdadeiro show em sua última apresentação, em agosto, quando finalizou a adversária no primeiro round. Logo depois do triunfo, o presidente do Ultimate, Dana White, cravou que a curitibana seria a próxima adversária da atual campeã. A partir daí, quase sem descanso, a curitibana começou a preparação.

“Foi apenas uma semaninha de treino leve. Totalmente sem treinar eu não fico, mas uma semaninha para descansar a cabeça o corpo e já emendei. Como foi luta boa, rápida (contra Calderwood), onde eu não me machuquei, foi ótimo embalar no camp (período de treinamento) que eu já tinha feito. Então, foi muito positivo”, revelou.

Corte de peso

Uma das preocupações para todos os que disputam um cinturão nas maiores organizações do mundo é o corte de peso, pois os atletas envolvidos não gozam da libra (454g.) de tolerância de outras lutas. Maia, então, para que o confronto seja válido pelo título, assim como sua adversária, deverá bater o limite de 56,7kg. A brasileira, que chegou a falhar em duas oportunidades consecutivas no UFC (2019), tranquilizou os fãs quanto ao processo e garantiu que a desidratação está seguindo conforme o planejado.

“Está tudo sob controle, bem semelhante ao da última vez, onde consegui bater o peso com sucesso. A gente mudou várias estratégias para chegar com o peso mais baixo. Durante todo o meu camp, eu treinei com o peso mais baixo e cheguei aqui (em Las Vegas) com o peso mais baixo, para fazer o processo natural de perda de peso. Não sofrer muito e não correr o risco de falhar”, disse a brasileira.

Luta sem público

Diante do maior momento em sua trajetória no Ultimate, Jennifer viverá o episódio em um cenário atípico, sem a presença do inflamado público que geralmente lota as arenas. Em função da pandemia do coronavírus, os eventos estão restritos apenas a atletas, treinadores, agentes, imprensa e responsáveis para que o espetáculo aconteça. Questionada se a falta de torcia prejudica ou auxilia, a combatente não fugiu da resposta.

“Para mim, não interfere. O foco é o mesmo. Eu ajo como as coisas estão acontecendo. Se tem público, é ótimo. Ficaria muito feliz se tivesse público em um momento especial como esse. Mas, devido a tudo o que está acontecendo no momento, é sem público. Então, vamos lá. O importante é poder lutar, dentro de todos os cuidados. Eu já fico muito feliz por isso. Não interfere muito, porque fico muito focada na luta e deixo para receber o calor da torcida depois”, revelou.

Do cinema para a realidade

Em desvantagem nas casas de apostas, Maia está inserida em um roteiro que se assemelha ao de Rocky Balboa, personagem interpretado por Sylvester Stallone nos cinemas. Desacreditada por muitos, a brasileira enfrentará a grande campeã e pode chocar o mundo no caso de uma grande apresentação. A brasileira, então, comentou sobre a situação e pontuou sobre a analogia com a história do filme.

“A gente assiste muito a esses filmes motivacionais e o do Rocky, com certeza, é um exemplo. É muito do que eu estou vivendo no momento”, disse a curitibana.

Por quem Jennifer luta?

Muitas pessoas entram em determinado esporte para buscar a superação e provar algo, seja para si mesmo ou para indivíduos que duvidaram de suas capacidades. Neste sábado, além de representar milhões de brasileiros apaixonados pelo MMA, a atleta revelou por quem subirá ao octógono contra Valentina.

“Primeiramente, por mim. Uma conquista pessoal de acreditar em mim, me superar, não querer ser melhor do que ninguém, apenas que a mim. Também pela minha família e amigos, que me apoiam e acreditam. Independente do resultado, estão sempre comigo.

Final dos sonhos

Pensando no MMA como uma ciência não-exata, na qual não se pode cravar um resultado, Jennifer sabe que é impossível prever o final do duelo contra Shevchenko. A lutadora, no entanto, falou sobre o desfecho dos sonhos, caso fosse desconsiderado um resultado decidido pelos juízes.

“Como minha última luta foi uma finalização, faz tempo que eu não tenho um nocaute. Seria um sonho nocautear ela”, finalizou.

Histórico das atletas

Atualmente com 32 anos, Jennifer, que é ex-campeã do Invicta FC, fará sua 26ª luta como profissional no MMA. A brasileira, hoje, soma 18 vitórias, quatro derrotas e um empate.

Campeã no peso mosca desde dezembro de 2018, Shevchenko, também de 32, tem 19 triunfos e três reveses no esporte. A quirguistanesa vai para sua quarta defesa de título.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments