Blindado comenta deslealdade de rival, analisa vitória e confirma nova luta no UFC para dezembro

Estrela brasileira no Ultimate do último sábado, peso médio fala com exclusividade ao SUPER LUTAS depois de grande resultado

Promessa brasileira no peso médio (até 83,9kg.) do Ultimate, Bruno Blindado não teve vida fácil para manter a invencibilidade na organização. Adversário de Andrew Sanchez no UFC Las Vegas 40, o paraibano passou por maus bocados no octógono, mas conseguiu se superar e nocautear o adversário no terceiro round. Após o novo triunfo, o combatente falou com exclusividade ao canal no YouTube do SUPER LUTAS e comemorou o resultado.

PUBLICIDADE:

Veja Também

Com a vitória, Blindado confirmou o bom momento na organização. A vitória manteve o brasileiro invicto em dois confrontos e fez valer sua fama de nocauteador.

Chutes baixos

Para sair vencedor no último fim de semana, Blindado precisou superar não só um adversário experiente. O brasileiro também teve de atuar contra a deslealdade do oponente, que, ao todo, desferiu três golpes baixos durante a luta.

PUBLICIDADE:

“Eu sabia que ele estava fazendo aquilo ali para ganhar tempo e eu estava entre a dor e o descanso dele. Eu pensei ‘A dor não vai acabar em cinco minutos, mas, esses cinco minutos para ele, seria muito tempo de descanso e eu estava inteiro’. Ai eu pensei: ‘Vou com dor mesmo, vou meter a porrada nesse cara com dor mesmo’. Eu podia ter dado um ‘migué’, como muitos fazem, mas eu não estava nem ai para essa m**. Eu fui ver que ele tinha perdido ponto só depois da luta, porque o meu empresário falou”, contou o lutador.

Sobre a luta

Com mais uma vitória no currículo, Bruno desabafou sobre dificuldades enfrentadas antes do confronto. O combatente, porém, comemora a superação e falou sobre o processo de treinamento.

PUBLICIDADE:

“Cada luta, eu venho com um jeito diferente. Por isso que eu não me importo muito de ver vídeos (dos adversários). Na minha cabeça, eu crio mais de 100 ‘lutas diferentes’, imagino diversos tipos de situação. Eu tive um camp bem difícil, eu vim morar em Miami (EUA) e tive uma lesão no menisco e em músculo atrás do joelho. O médico falou para eu não lutar, mas eu insisti e falei que iria lutar sim. Eu nunca tive lesão e do nada, tive duas no mesmo joelho. Eu não treinei wrestling e jiu-jítsu para essa luta. Só treinei ‘porrada’, manopla e parte física. Eu fiz muita coisa que eu queria fazer, eu queria testar o meu coração, sentir a luta, eu queria mostrar para o UFC o meu valor”, disse o brasileiro.

PUBLICIDADE:

Aprendizado no MMA russo

Promessa dos médios, Blindado chegou ao Ultimate com um currículo vitorioso. Para o brasileiro, a passagem pelo MMA russo contribui para uma adaptação mais rápida, o que favorece sua ascensão no grupo liderado por Israel Adesanya.

“Amadurecimento, (aprender) a receber críticas. O Bruno Blindado da Rússia não era pai ainda, hoje já sou pai de família, com uma visão ainda melhor, menos ansioso e eu acho que eu estou pronto para dar pro mundo e pro UFC, o meu trabalho, o meu valor e eu acho que consigo fazer isso bem”, afirmou.

Próximo passo no UFC

Quem pensou que Bruno pretendia descansar depois de sua luta no UFC Vegas, se enganou. Segundo o tupiniquim, ele e sua equipe já encaminham o próximo desafio, que deve acontecer ainda em 2021.

“Eu e minha equipe temos os pés no chão, mas, a gente planeja muito. Até porque eu vim como campeão de outro evento (M-1 Challenge), eu não saí dos eventos do Brasil para o UFC. Eu fiz uma trajetória, e tenho orgulho, que ninguém no mundo fez. Eu sou o único brasileiro que foi para a Rússia, em um momento que ninguém ganhava lá dentro. Eu lá e bati em todos os tops da minha categoria, bati em lendas da Rússia, para poder ir para o UFC. Eu já estou com luta fechada para dezembro, mas, ainda não posso falar. A minha meta, até o final de 2022 no máximo, é estar entre os top-15”, encerrou.

Podcast #40: José Aldo ainda pode ser campeão no UFC?