UFC 28 anos: O dia que revolucionou a história das artes marciais mistas

Em comemoração aos 28 anos do primeiro evento da história do Ultimate, o SUPER LUTAS faz uma retrospectiva da história da organização

Octógono montado no primeiro evento do UFC Foto: Divulgação

12 de novembro de 1993. Acontecia em Denver, Colorado (EUA), um torneio criado para definir qual era a melhor e mais efetiva arte marcial. O que talvez ninguém imaginasse, é que nascia naquele dia, a maior organização de artes marciais mistas da história e que 28 anos depois, a empresa ainda tivesse tanto destaque no mundo das lutas. Em comemoração aos 28 anos do Ultimate Fighting Championship, o SUPER LUTAS faz uma pequena retrospectiva da história do evento.

PUBLICIDADE:

Veja Também

A Criação

O norte-americano Art Davie, um conhecido empresário do mundo dos negócios teve a idéia de criar um torneio sem regras, com atletas de diversas artes marciais para definir qual era a melhor modalidade. Para isso, Davie pediu ajuda a Rorion Gracie, então proprietário da academia de sua família e John Milius, um notável diretor e roteirista de filmes. O planejamento inicial era chamar o evento de ‘Guerra dos Mundos’.

Juntos, os três criadores convocaram oito atletas, de sete modalidades diferentes: Patrick e Kevin Rosier (Kickboxing), Gerard Gordeau (Savate), Zane Frazier (Karatê), Ken Shamrock (luta livre), Teila Tuli (Sumô), Art Jimmerson (Boxe) e Royce Gracie (Jiu-Jítsu).

PUBLICIDADE:

O Primeiro evento. O primeiro campeão.

R. Gracie foi o campeão do UFC 1 Foto: Instagram

No dia 12 de novembro de 1993, na  McNichols Sports Arena em Denver, Colorado (EUA), os oito atletas se reuniaram para decidir qual arte marcial sairia vencedora do torneio. Para a surpresa de muitos, a família Gracie escolheu o seu membro mais novo para representar o clã: Royce. O prêmio para o campeão, além do troféu, seria de US$ 50 mil.

PUBLICIDADE:

Durante a noite de lutas, todos ficaram perplexos de ver como o franzino membro da família Gracie vencia os seus combates de forma dominante. Royce levou apenas 4m59s para finalizar seus três oponentes naquele card: Jimmerson, Shamrock e Gordeau. Naquele dia, o jiu-jítsu era apresentado de forma ‘oficial’ ao restante do mundo.

PUBLICIDADE:

O que era para ser apenas uma noite de espetáculos, se estende por mais um evento e depois outro. Em entrevista ao canal oficial do UFC no youtube, o atual presidente Dana White resumiu bem, o que foi o sucesso da noite de 12 de novembro: ‘Ele (UFC) se deu tão bem no pay-per-view que eles decidiram fazer outro e outro. Nunca em um milhão de anos, eles pensaram que estavam criando um esporte’.

Royce foi campeão em três das quatro primeiras edições do Ultimate Fighting Championship e as suas atuações nos primórdios do evento, inspiram lutadores até os dias de hoje.

Os anos seguintes: da quase falência ao sucesso absoluto

Elenco da primeira edição do ‘The Ultimate Fighter’ Foto: Divulgação/ UFC

A primeira década do UFC não foi só de glórias, como era esperado. A falta de regras e a natureza violenta do novo esporte, a proibição em diversos estados norte-americanos e a baixa audiência televisiva, quase fez a companhia fechar as suas portas. Até que em 2005, veio a ‘última tacada’ de Dana White e dos novos donos, os irmãos Frank e Lorenzo Fertitta, proprietários da empresa ZUFFA.

O reality show ‘The Ultimate Fighter’ foi lançado em janeiro de 2005 no canal norte-americano Spike TV. O objetivo do programa era mostrar a rotina de um lutador de MMA e dar ao vencedor um contrato com a organização. O show foi um completo sucesso na TV, alcançando ótimos indíces de audiência. A mistura dos treinadores Chuck Liddel e Randy Couture com jovens promissores e talentosos como Diego Sanchez, Chris Leben, Josh Koscheck, Forrest Griffin, entre outros, deu ao UFC a visibilidade e audiência necessários para seguir vivo.

A consolidação no mercado

D.White entre os irmãos Fertitta Foto: Instagram

Após o impulso dado pelo ‘The Ultimate Fighter‘, o UFC se consolidou de vez como a maior do mercado entre as organizações de artes marciais mistas. Em 2007, Dana e os irmãos Fertitta anunciaram a compra do evento japonês PRIDE Fighting Championship, até então a maior rival da empresa a nível mundial.

Em 2010, o WEC (World Extreme Championship), organização pertencente a ZUFFA, mas que abrigava lutadores de categorias abaixo dos 70kg, teve o seu plantel incorporado ao Ultimate. Em 2011, aconteceu o que seria o golpe definitivo do UFC em direção ao monopólio: a a empresa comprou o único rival que ainda conseguia incomodá-lo nos Estados Unidos: o STRIKEFORCE. Poucos meses depois, a organização também teve os seus atletas (alguns) incorporados aos quadros do Ultimate.

Os maiores campeões

A.Silva foi campeão dos médios entre 2006 e 2013 Foto: Divulgação/ UFC

Durante os seus 28 anos, o UFC teve diversos campeões. Muitos deles foram dominantes e soberanos em suas categorias durante vários anos: Anderson Silva, Jon Jones, Georges St-Pierre, Amanda Nunes e Demetrious Johnson foram alguns deles. Veja a lista dos cinco reinados mais duradouros do Ultimate.

1 – Demetrious Johnson – 11 defesas de cinturão

2- Anderson Silva – 10 defesas de cinturão

3- Georges St-Pierre – 9 defesas de cinturão

4- Jon Jones – 8 defesas de cinturão

5 – José Aldo – 7 defesas de cinturão

Atuais campeões

C. Do Bronx exibe o cinturão conquistado após o nocaute sobre M. Chandler no UFC 262. Foto: Reprodução/Instagram

Com um número maior de categorias do que o seu início, hoje o Ultimate possui 12 campeões lineares em seu plantel. Entre essas divisões, temos três brasileiros com cinturões de quatro divisões diferentes: Charles do Bronx (Peso Leve), Glover Teixeira (meio-pesado) e Amanda Nunes (Galo e Pena feminino).

Veja a lista de campeões:

MASCULINO

Peso Pesado (até 120,2kg) – Ciryl Gane (Campeão interino) e Francis NGannou (Campeão linear)

Meio-Pesado (até 93kg) – Glover Teixeira 

Peso médio (até 83,9kg) – Israel Adesanya

Peso meio-médio (até 77,1kg) – Kamaru Usman

Peso leve (até 70,3kg) – Charles Do Bronx

Peso Pena (até 65,7kg) – Alexander Volkanovski

Peso Galo (até 61,2kg) – Petr Yan (campeão interino) e Aljamain Sterling (campeão linear)

Peso Mosca (até 56,7kg) – Brandon Moreno

FEMININO

Peso Pena (até 65,7kg) – Amanda Nunes

Peso Galo (até 61,2kg) – Amanda Nunes

Peso Mosca (até 56,7kg) – Valentina Shevchenko

Peso palha (até 52,2kg) – Rose Namajunas

Podcast #40: José Aldo ainda pode ser campeão no UFC?