Em ascensão no Ultimate, André Sergipano lamenta não ter recebido bônus no UFC 269

Mesmo com o triunfo categórico sobre Eryk Anders, o lutador brasileiro não escondeu a chateação por não ter faturado um dos prêmios de 'Performance da Noite'

A. Sergipano derrotou E. Anders no UFC 269. Foto: Reprodução/Instagram

Mesmo com a expressiva vitória sobre Eryk Anders no UFC 269 do último sábado (11), o brasileiro André Sergipano lamentou não ter conquistado um dos bônus de ‘Performance da Noite’. Em entrevista ao ‘Combate’, o lutador dos médios (até 83,9kg) exaltou a sua atuação no show e revelou o que gostaria de ter feito, caso conquistasse os US$50 mil.

PUBLICIDADE:

Veja Também

“Estou chateado com o ‘tio Dana’. Faltou o ‘faz-me rir’. Tio Dana, me ajuda a realizar o sonho de construir a minha casa que vou continuar dando aula de jiu-jítsu na categoria. Esse bônus era metade da casa. Quem sabe ele não solta a grana no fim do ano? Foi uma posição muito técnica. Eu quedei o Anders, fiz uma transição bonita e encaixei”, disse orgulhoso, o lutador brasileiro.

Após o combate, Sergipano pediu por um duelo contra o inglês Darren Till e acredita que, em caso de vitória, poderá chegar no topo da divisão dos médios.

PUBLICIDADE:

“É um bom casamento de luta. Ele é trocador, o ponto fraco dele é a luta agarrada. Eu tenho risco de ser nocauteado, mas há uma grande chance de eu conseguir finalizar. Não tem caminho fácil rumo ao top 10 e ao top 5, todos são muito duros. O Till é quem tem o casamento de jogo melhor. Eu sou bem ousado, vou botar para baixo, mas saio na porrada também. Esse foi um ano fantástico. Vou continuar focado até chegar ao topo da divisão”, finalizou o craque do jiu-jítsu.

Em quatro lutas vestindo as luvas do Ultimate, o lutador brasileiro ainda não sentiu o gosto amargo de uma derrota. Aos 31 anos, o combatente possui um cartel de 22 triunfos e quatro reveses no MMA profissional.

PUBLICIDADE:

Podcast #45: Volkanovksi sem desafiante e brasileiros no 1º UFC do ano