Destaque no UFC Vegas 51, Caio Borralho analisa estreia e garante: ‘Para me vencer, vai ser difícil’

Algoz de Gadzhi Omargadzhiev, brasileiro avalia rendimento em debute no Ultimate e sugere próximo adversário

A estreia eficiente, e com direito a tensão, de Caio Borralho no Ultimate é motivo de empolgação por parte da torcida brasileira. Algoz de Gadzhi Omargadzhiev no UFC Las Vegas 51, o maranhense falou com exclusividade ao SUPER LUTAS após sua vitória convincente diante do russo. O atleta, agora, faz parte da lista de promessas da empresa no peso médio (até 83,9kg.).

PUBLICIDADE:

Veja Também

278658043_397950062183867_2282792218569843766_n

O debute de Caio, que deveria ter acontecido em janeiro de 2022, veio com uma atuação dominante contra Gadzhi. Apesar de uma joelhada ilegal no último round, o brasileiro foi declarado vencedor por decisão técnica.

Análise da estreia

PUBLICIDADE:

“Foi uma performance muito boa para uma estreia. Estava com muita energia. (…) Tecnicamente, fiz tudo como tinha que fazer. Em alguns momentos, poderia ter definido a luta. Tirando a joelhada no final, foi uma luta quase perfeita. Não corri riscos. Tomei alguns golpes, mas foram todos bem bloqueados. Anulei em todas as áreas, tanto em pé, quanto no chão, nas quedas. Esse era meu objetivo: passar um recado para a divisão. Para quem ainda não me conhecia, tenho nível de jiu-jitsu, no grappling, wrestling. Para achar um jeito de me vencer, vai ser um pouco difícil”, garantiu.

Joelhada polêmica

Após praticamente dois rounds de controle contra Gadhzi, Borralho esteve perto de ver sua vitória ‘escorrer pelos dedos’. Perto do fim do confronto, o brasileiro conectou uma joelhada considerada ilegal, e viveu momentos de tensão antes de saber qual seria o desfecho do combate, já que o oponente ficou sem condições de seguir na peleja. Caio, então, explicou a ação e desabafou sobre o momento que antecedeu o anúncio oficial.

PUBLICIDADE:

“Do ângulo que eu estava, vi que a mão dele estava fora (do chão). Se olhar em câmera lenta, ele está no processo de começar a se levantar. Ou seja, o peso dele não está totalmente na mão. A mão de apoio era a esquerda, que estava do lado da grade, e estava com as pontas dos dedos. Achei que ele estava se levantando e, no meio do caminho, peguei com o joelho. Foi mais adiantado do que era para ser. Faltou um pouco de atenção, mas realmente não vi. (…) Não tinha sentido fazer isso (algo ilegal), depois de dominar três rounds, jogar uma joelhada sem querer. (…) Tive medo de ser desclassificado. (…) Estava falando para mim: ‘não acredito que, depois de uma apresentação dessas, vou ser desclassificado, faltando um minuto’. Eu não acreditava. Eu pedi desculpas para a torcida, para o cara. (…) Não foi intencional, mas fiquei bem nervoso”, admitiu.

PUBLICIDADE:

Próximo passo

Com performance convincente, Borralho já está de olho no próximo passo na companhia. O atleta, que precisará tratar algumas lesões, pretende retornar o quanto antes ao octógono e tem um nome para desafiar.

“Só não desafiei um nome porque queria respeitar o momento. Ia pegar mal eu pedir um nome depois de ter ganhado com uma joelhada ilegal. O principal nome é o Bryan Battle, que é um cara que vem de duas vitórias seguidas. Tem apenas uma derrota, foi campeão do TUF (The Ultimate Fighter 29). Queria fazer a promoção ‘Campeão do Contender contra Campeão do TUF’. É um cara bom de se lutar. O estilo dele casa bastante com meu estilo de jogo. Provavelmente, nesta semana, meu empresário vai conversar com os ‘matchmakers’ (responsáveis por negociar os confrontos) para ver o que acham. De qualquer forma, estou aberto ao que o UFC me oferecer”, encerrou.

Histórico do atleta

Aos 29 anos, Caio Borralho atingiu a marca de 13 apresentações como profissional no MMA. No esporte desde 2014, o brasileiro, hoje, soma 11 vitórias, uma derrota e um ‘no contest’.

Podcast #67: Durinho fez o pix para Yanex após nocaute em lutador que falou mal do Brasil + UFC Austin: card do ano