AO VIVO

Acompanhe o UFC 276, com disputas de cinturão e Alex Poatan

Michel Pereira revela sérias dificuldades enfrentadas durante preparação para o UFC Vegas 55

Em entrevista exclusiva ao SUPER LUTAS, o 'Paraense Voador' revelou que não pôde treinar chão durante o seu camp, por falta de profissionais para auxiliá-lo

 

M. Pereira (esq.) e S. Ponzinibbio (dir.) foram destaques no UFC Las Vegas 55. Foto: Divulgação/UFC

PUBLICIDADE:

A importante vitória de Michel Pereira sobre Santiago Ponzinibbio no UFC Las Vegas 55 foi ainda mais valorizada pelo lutador brasileiro, devido a problemas até então não revelados dos bastidores. Em entrevista exclusiva ao SUPER LUTAS, o ‘Paraense Voador’ cravou que venceu mesmo a luta e revelou que teve sérias dificuldades durante o seu camp e que isso o impediu de ter uma preparação completa para o embate do último sábado (21).

Veja Também

“Eu, na minha visão, acho que eu venci a luta, né? Assim, eu coloquei muito mais golpes duros nele, eu coloquei golpe que ele foi ‘de testa no chão e voltou’, até porque, o bicho é ‘embaçado’ né? Eu acho que coloquei golpes muito mais duros do que ele e os golpes duros que ele me colocava, eu pegava mas ia para cima. Parecia que eu estava com mais vontade do que ele. Então, eu acho que eu ganhei mesmo a luta, mas, se fosse pra ele, eu ficaria feliz também porque foi uma luta muito dura”.

PUBLICIDADE:

O ‘Paraense Voador’ revelou que não teve uma preparação adequada para o duelo e que, praticamente, treinou apenas trocação durante o camp.

“Eu não tava nem 50% do meu treino…eu com o camp lá no Brasil, eu não treinei um bocado de coisas, porque eu não tinha professor e não tinha gente pra treinar comigo essas coisas. Então ali (na luta contra Santiago Ponzinibbio), eu tava só 50%. Faltou os outros 50% e até mais, se bobear. Eu tive muito ‘B.O’ (gíria para problemas) lá no meu camp, aí eu tive que me agarrar no boxe e no muay-thai e eu fiz um treino de crossfit lá, que foi o que me ajudou”, disse Michel

PUBLICIDADE:

Michel afirmou que não teve como se preparar para a luta agarrada e disse que isso afetou a sua estratégia para o confronto contra Ponzinibbio.

PUBLICIDADE:

“Eu não treinei chão, não fiz musculação, não fiz jiu-jítsu e nem wrestling. E eu sabia que se eu fizesse qualquer coisa fora do planejado, eu ia ser cobrado. Teve uma hora que eu peguei as costas dele, eu soltei logo e falei ‘Ei menino, vai te embora, não quero nem saber de te segurar ou fazer força contigo, porque, se eu fizer aqui, acabou Michel Pereira”. Eu tava bom pra correr e (lutar) boxe, e uns chutezinhos, que eu treino muito muay-thai também, mas fazer força, isometria, chão, jiu-jítsu, wrestling… o que? Tava feio o negócio”, contou o brasileiro.

O novo ranqueado dos meio-médios também falou sobre a dificuldade para conseguir perder peso e ficar dentro do limite permitido da divisão.

“Eu cheguei aqui (em Las Vegas) com 13kg (acima do limite). Eu estava muito pesado, parecendo um boi. E eu ainda cheguei e bati o peso da categoria, 77kg, bati mais do que o Ponzinibbio ainda. Tem que respeitar o ‘Michelzinho Pereira’, o moleque é diferenciado mesmo. Teve um dia que eu tirei 3,6kg. Eu entrei em sauna, fiz treino, fiz manopla. Mas o meu peso ainda estava alto demais, a gente ficou preocupado. Mas aí, na quarta-feira, eu consegui ‘entrar no jogo’ de novo. Aí eu consegui ficar mais tranquilo”, revelou o ‘Paraense Voador’.

Com cinco vitórias seguidas, Michel finalmente entrou no ranking dos meio-médios (até 77,1kg) e agora o brasileiro é o décimo quarto colocado do ranking. O ‘Paraense Voador’ possui um retrospecto de 28 triunfos e 11 reveses no MMA profissional.

Podcast #68: Adesanya, Poatan e Volkanovski: Tudo sobre o UFC 276