‘Carcacinha’ explica cotovelada giratória, agradece elogio de McGregor e fala sobre comparação com Do Bronx

Em entrevista exclusiva ao canal do SUPER LUTAS, brasileiro celebra desfecho e repercussão de luta com Danny Chavez no UFC Austin

 

Ricardo Carcacinha é só alegria. No último sábado (18), o brasileiro superou Danny Chavez com uma cotovelada giratória e entrou na disputa pelo ‘Nocaute do Ano’ no UFC Austin. Agora, em entrevista exclusiva ao canal do SUPER LUTAS no YouTube, a promessa explicou o golpe, agradeceu elogio de Conor McGregor e valorizou comparações com trajetória de Charles do Bronx na organização.

PUBLICIDADE:

Feliz pelo desfecho no confronto, Carcacinha conta que aproveitou da movimentação de Chavez para aplicar a cotovelada giratória. O brasileiro ainda destaca que treina a posição e celebra conquista no UFC Austin.

Veja Também

“Eu aproveitei todo o peso do corpo dele, que estava se deslocando para cima de mim. E o peso todo dele fez a pancada acontecer. Eu só girei no eixo. Como ele não tinha para onde correr, ele estava de costas para a grade. Eu fintei a queda e, na hora que eu o vi na grade, foi questão de segundos e decidi girar o cotovelo. É uma posição que eu treino e, como estava no automático, acabou saindo. E foi bom, porque conectou bonito”, disse Ricardo.

PUBLICIDADE:

Recado de Conor McGregor

Além do nocaute plástico, Carcacinha também foi elogiado por um grande nome do MMA: Conor McGregor. Em seu ‘Instagram’, o irlandês tratou de publicar o desfecho no combate e revelou se empolgar com o estilo de luta do brasileiro. Agora, o paulista fez questão de agradecer pelas palavras.

“A gente se fala por empresário. Meu empresário passa as mensagens. Em algumas outras lutas ele também mandou algo me elogiando. E, nessa luta, ele mandou mensagem falando que gostou da luta. Eu agradeci, mas não tenho nenhum relacionamento de amizade pessoal. O homem é brabo”, conta Carcacinha.

PUBLICIDADE:

Comparação com Charles do Bronx

Aos 26 anos, Ricardo Carcacinha comentou as comparações com Charles do Bronx, já que chegou cedo no Ultimate com status de promessa do MMA brasileiro e também passou por altos e baixos no passado. O peso pena (até 65,7kg.) afirma que fica feliz com a comparação e vislumbra ter trajetória de sucesso parecida com o compatriota.

PUBLICIDADE:

“Eu sempre tive um respeito muito grande e é uma honra ser comparado com esse cara (Charles do Bronx). Não é a primeira vez que me falam isso. Mesmo antes de ele ser campeão a galera já falava. Eu vejo o trabalho dele e sempre achei muito bom no jiu-jitsu, mas não achava muito parecido. Mas a história realmente é parecida. Cada um tem suas batalhas, mas ele chegou num ponto em que blindou a mente, onde conseguiu decolar. Isso acontece em várias esferas diferentes em todos os atletas (…) ser comparado com a história dele é uma honra e espero que eu esteja neste momento. Estou firme, forte, muito seguro de mim, confiante nos treinos e pronto para decolar também”, concluiu.

Além de colocar Ricardo Carcacinha na briga pelo ‘Nocaute do Ano’, o resultado devolve o brasileiro ao caminho das vitórias no UFC. O paulista vinha de derrota para Zubaira Tukhugov em sua última luta. Em seu retrospecto, agora, ele soma 16 resultados positivos e quatro negativos.

Podcast #68: Adesanya, Poatan e Volkanovski: Tudo sobre o UFC 276