Relembre as melhores finalizações do MMA no primeiro semestre da temporada 2022; confira os vídeos

Equipe do SUPER LUTAS lista os atletas que deram show na ‘arte suave’ e derrotaram os rivais de maneira épica

C. Do Bronx encaixa finalização em J. Gaethje no UFC 274. Foto: Reprodução/Instagram

Com o fim do primeiro semestre na temporada 2022, chegou a hora de trazer aos fãs de MMA alguns destaques que marcaram o ano com atuações épicas. Nesta matéria especial, a equipe do SUPER LUTAS traz as cinco finalizações mais emblemáticas dos últimos seis meses.

PUBLICIDADE:

Há casos em que a ‘arte suave’ garantiu o título a um campeão. Em outro, a atleta chegou a deslocar o braço da rival, provocando uma imagem forte de se ver.

Sem mais delongas, vamos à lista. Confira:

PUBLICIDADE:

1) Said Nurmagomedov finaliza Cody Stamann

S. Nurmagomedov (esq.) finaliza C. Stamann. Foto: Reprodução/Instagram

Representante do Daguestão, Said Nurmagomedov é o primeiro a aparecer na lista. Promessa dos galos (até 61,2kg.) no UFC, o lutador brilhou diante de Cody Stamann, em janeiro de 2022.

Naquela que marcou sua quinta apresentação com as luvas do Ultimate, o atleta precisou de menos de um minuto para liquidar a fatura diante do norte-americano. Com jiu-jitsu ajustado, o atleta finalizou com uma guilhotina em 47 segundos, obrigando o rival a bater em desistência.

PUBLICIDADE:

2) Stevie Ray ‘bagunça’ Anthony Pettis

S. Ray encaixa triângulo invertido em A. Pettis. Foto: Reprodução/Twitter @PFL

Antigo representante do UFC e aposta da PFL na temporada 2022, Stevie Ray teve um adversário renomado em sua segunda apresentação na organização. Inserido no torneio dos leves (até 70,3kg.), o atleta da Escócia mostrou a que veio justamente diante do consagrado Anthony Pettis.

PUBLICIDADE:

Em embate válido pelas quartas de final do campeonato da divisão, Ray surpreendeu ao protagonizar uma finalização inusitada diante do antigo campeão do Ultimate. Com um triângulo invertido, no segundo round, o atleta obrigou ‘Showtime’ a bater em desistência e, de quebra, se classificou à semifinal do torneio.

3) Jim Miller finaliza, aposenta Donald Cerrone e bate recorde

J. Miller finaliza D. Cerrone no UFC 276. Foto: Reprodução/Instagram

A finalização de Jim Miller no UFC 276 pode não ser a mais rara de ser vista, mas o conjunto da obra obriga a equipe a inseri-lo na lista de ‘Melhores do Semestre’. Embora o confronto contra Donald Cerrone não expusesse atletas nos seus auges, havia algo de muito importante em jogo: o recorde de maior número de vitórias na organização.

O confronto teve início tenso, com os atletas se testando com ataques no centro do octógono. No segundo assalto, porém, Miller se aproveitou de um descuido de ‘Cowboy’ e fez uso de uma de suas armas mais conhecidas: o jiu-jitsu. Após encaixar uma guilhotina em Donald, o veterano bateu em desistência.

Com a vitória, Jim atingiu a impressionante marca de 24 triunfos com as luvas do Ultimate e assumiu a ponta da tabela. Após a derrota, o lendário Cerrone anunciou sua aposentadoria do MMA.

4) Julija Stoliarenko desloca braço de rival

J. Stoliarenko bateu J. Rose-Clark na primeira luta do UFC 276. Foto: Reprodução/Instagram @ufc

Pressionada após três lutas sem vitória no Ultimate, Julija Stoliarenko viveu seu momento de glória no UFC 276. Adversária de Jessica-Rose Clark na luta que abriu o evento, a combatente precisou de pouco tempo para somar seu primeiro resultado positivo na empresa, e de forma impressionante.

Depois de perder três na sequência, a atleta pôde mostrar ‘a que veio’ na organização e fez uso de seu jiu-jitsu. Com Clark no chão, a atleta da Lituânia encaixou uma chave de braço e chegou a deslocar o membro da adversária.

O feito da lutadora rendeu à combatente um dos bônus de performance. Assim, a peso galo (até 61,2kg.) levou para casa US$50 mil.

5) Do Bronx dá show após pesadelo

C. do Bronx finalizou J. Gaethje no UFC 274 (Foto: Instagram/UFC)

Xodó da torcida brasileira e grande estrela no atual elenco dos leves (até 70,3kg.) do Ultimate, Charles do Bronx foi do inferno ao céu no UFC 274. Vítima de uma polêmica histórica com a balança na véspera do espetáculo, o paulista acabou tendo seu cinturão retirado após falhar no corte de peso.

Além do pesadelo psicológico, o tupiniquim tinha pela frente o compromisso de dividir o octógono com o perigoso Justin Gaethje. Antes de perder o título, Charles buscava defender seu trono pela segunda vez.

Na luta, Do Bronx voltou a dar show. Após momentos de sustos diante do norte-americano, o jiu-jitsu foi o determinante na peleja. Com seu já conhecido mata-leão, o brasileiro obrigou o rival a bater em desistência e se credenciou a disputar o título vago da divisão.

Podcast #73: MAIOR DE TODAS? Amanda Nunes volta a reinar no UFC