Top 5 SUPER LUTAS: as maiores surpresas de 2014

Ano teve dois lutadores brasileiros perdendo seus cinturões em combates em que eram considerados favoritos

TJ (foto) fará sua segunda defesa de cinturão. Foto: Josh Hedges/UFC

TJ (foto) conquistou o título dos galos do UFC. Foto: Josh Hedges/UFC

Diante do caráter imprevisível do esporte, é relativamente frequente vermos resultados que fogem dos principais prognósticos. E o ano de 2014 não foi diferente, já que houve uma série de resultados nas principais competições do mundo que deixaram os fãs de MMA de cabelo em pé.

E as grandes “zebras” do ano viram brasileiros nos dois lados da moeda. Alguns azarões tupiniquins acabaram surpreendendo e vencendo lutas que se pensavam ser improváveis, enquanto que, em outros casos, o posto de favorito caiu de forma implacável diante de rivais estrangeiros.

Confira a lista de “Surpresas do Ano” do SUPER LUTAS:

1: TJ Dillashaw x Renan Barão

ufc173_12_barao_vs_dillashaw_007

Renan Barão chegou ao UFC 173, em maio, em alta. Ele havia acabado de se tornar campeão linear dos galos e feito sua primeira defesa, com uma vitória arrasadora sobre Urijah Faber. Sua segunda defesa seria contra TJ Dillashaw, que nem mesmo era considerado o primeiro da fila para desafiar o campeão – seria Raphael Assunção, mas o brasileiro não pôde desafiar o compatriota por ter lesionado uma costela em seu combate anterior.

Assim, naturalmente, Barão chegou ao combate com amplo favoritismo. Conforme a luta se desenrolava, no entanto, um leigo espectador teria dúvidas sobre quem era o campeão e quem era o desafiante azarão, já que Dillashaw dominou as ações do início ao fim. Além de aplicar um duro knockdown no primeiro round, Dillashaw deixou Barão perdido na trocação com sua agilidade nas mãos e pernas. A pá de cal veio no quinto round, quando TJ conectou uma sequência de chute alto e socos, derrubou Barão e tomou o cinturão com o nocaute técnico. Foi não só a zebra do ano, mas uma das maiores da história do MMA.

2: Will Brooks x Michael Chandler

Em novembro de 2013, Michael Chandler havia perdido sua invencibilidade no MMA para Eddie Alvarez, em uma guerra que era a revanche de outro combate acirrado realizado em 2011. Chandler não imaginava, mas seu grande algoz não era Alvarez, e sim o relativamente desconhecido Will Brooks.

Chandler e Alvarez fariam a trilogia em maio, mas, em cima da hora, o campeão se lesionou e teve de sair do combate. Brooks, então, aceitou ser o substituto, e imediatamente viu todo o favoritismo ser jogado para o lado de Chandler. Inicialmente, o favoritismo estava sendo confirmado, já que Chandler dominou as ações nos primeiros rounds. Porém, Brooks deu a volta por cima e conseguiu virar o jogo, superando os prognósticos e abocanhando a vitória e o cinturão interino. A revanche foi realizada poucos meses depois, e Brooks novamente surpreendeu o rival – desta vez com uma finalização, amargando a terceira derrota seguida de Chandler.

3: Johnny Eduardo x Eddie Wineland

Eduardo comemora nocaute sobre Wineland em Cincinnati. Foto: Josh Hedges/Zuffa LLC

Eduardo comemora nocaute sobre Wineland em Cincinnati. Foto: Josh Hedges/Zuffa LLC

O veterano Johnny Eduardo ficou quase dois anos afastado das lutas, entre 2012 e 2014, e o combate que marcaria seu retorno à ativa foi uma tarefa verdadeiramente ingrata. O atleta da Nova União encararia Eddie Wineland, lutador consagrado entre os galos e que disputara o cinturão da categoria havia pouco tempo, perdendo diante de Renan Barão. Tudo indicava que seria uma luta para consolidar a recuperação de Wineland, mas não foi bem isso o que aconteceu.

Ainda no primeiro round do combate, realizado em maio, Eduardo conectou um potente cruzado de direita, o que fez Wineland bambear. Mais um soco entrou, um novo cruzado, e mandou o norte-americano à lona. Esta havia sido apenas a segunda vez em que Wineland fora nocauteado, o que deixou o resultado ainda mais surpreendente. A luta rendeu ao norte-americano um maxilar quebrado, o que fez com que fosse seu último compromisso dentro do octógono até hoje.

4: Rafael dos Anjos x Ben Henderson

Dos Anjos e Henderson se cumprimentam após nocaute do brasileiro. Foto: Divulgação/UFC

Dos Anjos e Henderson se cumprimentam após nocaute do brasileiro. Foto: Divulgação/UFC

Oriundo do jiu-jitsu, Rafael dos Anjos já vinha provando que está se tornando um lutador cada vez mais completo no MMA. Prova disso foram as vitórias sobre Donald Cerrone e Jason High, nos quais o brasileiro apresentou um jogo versátil e contundente em pé. Porém, o revés para Khabib Nurmagomedov, em abril, ainda gerava algumas dúvidas na cabeça dos torcedores.

Assim, Dos Anjos entrou “correndo por fora” na luta contra o ex-campeão Ben Henderson, em agosto. O norte-americano vinha de boa vitória sobre Rustam Khabilov e parecia obstinado a retomar o seu caminho rumo ao cinturão. Porém, Dos Anjos não só surpreendeu ao vencer, mas também ao se tornar o primeiro a nocautear o ex-campeão. Novamente mostrando seu arsenal no muay thai, RDA, como vem sendo chamado nos Estados Unidos, usou e abusou de socos, chutes e joelhadas, derrubando Henderson ainda na metade do primeiro round.

5: Ben Rothwell x Alistair Overeem

Overeem (esq.) foi nocauteado por Rothwell (dir.) em setembro. Foto: Josh Hedges/Zuffa LLC

Overeem (esq.) foi nocauteado por Rothwell (dir.) em setembro. Foto: Josh Hedges/Zuffa LLC

Desde que chegou ao UFC, Alistair Overeem não vem mostrando o mesmo ímpeto e resultados de seus tempos de Strikeforce. Mesmo assim, o holandês havia se recuperado bem de uma sequência de derrotas, dominando Frank Mir sem grandes sustos. Assim, ele chegou ao combate contra Ben Rothwell, em setembro, como o favorito a conquistar a vitória.

No entanto, como é frequente entre os pesos pesados, um descuido pode ser fatal. O holandês achou que havia quebrado o braço do rival com um chute e se descuidou por um instante, tempo suficiente para que Rothwell aproveitasse e derrubasse Overeem com duros golpes.

Menções honrosas:

Rick Story x Gunnar Nelson: “Gunni”, considerado uma das grandes promessas dos meio-médios, teve atuação apática e foi dominado pelo veterano Rick Story na Suécia.

Joe Warren x Eduardo Dantas: O veterano Warren, hoje com 38 anos, não vinha no melhor de seus momentos quando enfrentou o jovem Dantas, de 25. Porém, o norte-americano não deixou o brasileiro soltar seu jogo e roubou o cinturão dos galos do Bellator na decisão dos juízes.

Bobby Green x Josh Thomson: 2014 foi um ano ingrato para “The Punk”. Depois de estar prestes a disputar o cinturão dos leves, mas não ter recebido sua chance por uma lesão de Anthony Pettis, Thomson sofreu duas derrotas no ano, para Henderson e Bobby Green. Na última, era considerado o amplo favorito, mas sucumbiu na decisão dividida dos juízes.

Hérica Tibúrcio x Michelle Waterson: A brasileira chocou o mundo do MMA feminino ao desbancar a favorita Waterson com uma finalização no terceiro round, conquistando o cinturão peso átomo do Invicta.

Deixe seu comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments