Não quero o cinturão de Ronda, quero apenas enfrentá-la, diz Cris Cyborg

Brasileira volta a desafiar campeã do UFC para luta em peso combinado e diz que combate seria mais importante que cinturão

C. Cyborg (foto) seguirá no Invicta, mas deve se transferir pro UFC em breve. Foto: Reprodução/Twitter

C. Cyborg (foto) seguirá no Invicta, mas deve se transferir pro UFC em breve. Foto: Reprodução/Twitter

Cris Cyborg mais uma vez desafiou a campeã dos galos do UFC, Ronda Rousey, para um combate em peso combinado. A brasileira, que é campeã do Invicta FC entre os galos (66 kg), afirmou que gostaria de enfrentar a norte-americana em 63 kg, dois acima em relação à categoria em que Ronda domina no Ultimate.

Veja Também

Cormier aposta em vitória de Rousey sobre Cyborg: ‘Dará os tapinhas antes de se dar conta’
Cris Cyborg assina contrato com UFC e luta com Ronda fica mais próxima
Cyborg tenta evitar polêmicas, mas provoca Ronda: ‘Acho ela estúpida’

Mesmo que um combate sob essas condições não colocaria nenhum título em jogo, Cyborg explica que tal ocasião seria ainda mais importante do que qualquer cinturão. “Vamos lutar! Vamos fazer essa luta em 63 kg! Claro que eu quero ser campeã do UFC um dia, mas acho que, no momento, seria ótimo se todos pudessem ver uma luta entre Ronda Rousey e eu. Acho que seria uma ótima luta. Acho que seria mais importante [que o título do UFC], já que eu tenho um cinturão. Eu não quero seu cinturão. Quero apenas que a luta aconteça”, disse Cyborg, em entrevista ao jornal norte-americano “LA Times”.

Ronda Rousey já tem data marcada para voltar à ativa: será no dia 1º de agosto, no Rio de Janeiro, quando enfrentará Bethe Correia na luta principal do UFC 190. Já Cyborg lutará em julho, ainda no Invicta, defendendo seu título contra oponente a ser definida.

Recentemente, Cyborg assinou contrato com a empresa proprietária do UFC, a Zuffa. No entanto, a brasileira somente estreará no octógono quando já tiver lutado entre os galos no Invicta, já que sua categoria, os penas, não existe no UFC para mulheres.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments