Treinador de Aldo pede respeito após derrota

Dedé Pederneiras manda recado aos críticos, relembra o passado vitorioso do ex-campeão e analisa: ‘Não houve falha técnica, mas sim um golpe incomum’

Dedé (dir.) pediu respeito a Aldo (esq.) após derrota para McGregor. Foto: Divulgação

Dedé (dir.) pediu respeito a Aldo (esq.) após derrota para McGregor. Foto: Divulgação

O treinador principal de José Aldo, Dedé Pederneiras, publicou um longo depoimento após a derrota de seu atleta na luta principal do UFC 194, no último sábado (12), em Las Vegas, nos Estados Unidos.

Veja Também

‘Difícil de falar se McGregor acertou ou se eu errei’, diz Aldo após rever luta
Wanderlei defende Aldo e promete tapa em ‘vagabundo’ McGregor
Vídeo: Aldo aparece arrasado nos bastidores e é consolado por equipe após derrota
Vídeo: Veja as reações dos técnicos ao nocaute de McGregor sobre Aldo

Na ocasião, Aldo foi nocauteado por Conor McGregor de forma surpreendentemente rápida, em somente 13 segundos, o que colocou fim a uma invencibilidade que durava mais de dez anos e a seu reinado na divisão dos penas.

Ainda chateado com a situação, Pederneiras afirmou que Aldo merece o reconhecimento do público devido às suas conquistas no esporte. “A única coisa que peço a todos é respeito ao nosso grande campeão”, escreveu. “As pessoas que hoje aparecem criticando deveriam se conscientizar e pensar: esse cara veio de Manaus para o Rio com uma mão na frente e outra atrás, para morar na academia, dormir no tatame, acordar mais tarde para não passar fome por não ter dinheiro para tomar café da manhã. E ele chegou onde chegou, sempre acreditando que seria um campeão, o que ele se tornou graças a muito trabalho e dedicação”, lembrou.

Apesar da derrota rápida de Aldo em um combate cercado de rivalidade e tensão, o líder da academia Nova União insiste que seu atleta estava bem preparado. “Aldo perdeu seu cinturão em uma luta na qual ele não conseguiu mostrar o quão bem treinado e preparado psicologicamente estava. Não houve provocação que entrasse na sua cabeça, não houve falha técnica, mas sim um golpe incomum. Um golpe de encontro como aquele, pegando no queixo de um adversário em movimento, não é uma coisa que acontece toda hora. Mas aconteceu conosco. Se fosse ao contrário, com o McGregor sendo golpeado no queixo e o Aldo no supercílio, hoje estaríamos chamando o Aldo de supercampeão, de melhor de todos os tempos, mas isso são coisas do esporte. Melhor sorte do McGregor, que venceu e, portanto, é o novo campeão”, reconheceu.

Confira na íntegra o depoimento de Dedé Pederneiras:

Neste momento, tenho um profundo sentimento de perda. Não só pelo cinturão do José Aldo, mas principalmente pela perda do respeito ao nosso grande campeão, que sustentou o título do UFC por quatro anos e sete meses, por sete lutas (sem contar os quase dois anos e três lutas de título do WEC). Cheguei hoje de viagem e vi comentários de pessoas que, com certeza, não entendem nada de luta. Se entendem, nunca chegaram a lugar nenhum porque aqueles que alcançaram alguma coisa no nosso esporte sabem o quão duro é competir em alto nível, contra atletas do mundo inteiro, e vencê-los por tantos anos.

Quando o Brasil estava sem nenhum outro campeão, em um momento tenso e preocupante, Aldo manteve seu título. Depois disso, mais dois brasileiros se juntaram a ele, mantendo a fama e reconhecimento do MMA do país em alta. A única coisa que peço a todos é respeito ao nosso grande campeão. Aos que dizem que foi tudo armado, prefiro nem comentar, porque não merecem tempo e atenção 

No último sábado, José Aldo perdeu seu cinturão em uma luta na qual ele não conseguiu mostrar o quão bem treinado e preparado psicologicamente estava. Não houve provocação que entrasse na sua cabeça, não houve falha técnica, mas sim um golpe incomum. Um golpe de encontro como aquele, pegando no queixo de um adversário em movimento, não é uma coisa que acontece toda hora. Mas aconteceu conosco. Se fosse ao contrário, com o McGregor sendo golpeado no queixo e o Aldo no supercílio, hoje estaríamos chamando o Aldo de supercampeão, de melhor de todos os tempos, mas isso são coisas do esporte. Melhor sorte do McGregor, que venceu e, portanto, é o novo campeão. 

É preciso entender que o José Aldo é um ser humano passível de derrotas, assim como qualquer outro. As pessoas que hoje aparecem criticando deveriam se conscientizar e pensar: esse cara veio de Manaus para o Rio com uma mão na frente e outra atrás, para morar na academia, dormir no tatame, acordar mais tarde para não passar fome por não ter dinheiro para tomar café da manhã. E ele chegou onde chegou, sempre acreditando que seria um campeão, o que ele se tornou graças a muito trabalho e dedicação. O campeão do povo!

Quem está por aí criticando, falando em vergonha, teria coragem de fazer o que ele fez? Aposto que não. Se tivesse, saberia o quão difícil é vencer em um país onde o apoio ao esporte é raríssimo. Meu recado aos críticos é esse: levantem da cadeira, saiam da frente do computador, larguem o celular, e façam melhor. Precisamos de mais pessoas como o Aldo e menos críticos de sofá. 

O rei saiu, mas já já estará de volta!”

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments