Equipe de Parsons lamenta morte: “Ele era trabalhador e sorridente”

Morte trágica de lutador do Bellator por atropelamento repercute entre seus companheiros de treinos

Jordan Parsons (foto) morreu após ser atropelado na Florida. Foto: Reprodução

Jordan Parsons (foto) morreu após ser atropelado na Florida. Foto: Reprodução

O mundo do MMA perdeu uma de suas promessas de maneira trágica nesta quarta-feira (4). Jordan Parsons, que fazia parte do plantel do Bellator (considerada a segunda organização mais importante do planeta), não resistiu aos ferimentos de um atropelamento sofrido no último fim de semana e faleceu aos 25 anos de idade.

Veja Também

Lutador tem perna amputada após ser atropelado nos EUA
Lutador do Bellator atropelado segue em estado grave após cirurgia cardíaca
Lutador atropelado não resiste e morre nos EUA
Polícia oferece recompensa por motorista que atropelou lutador

Parsons, que se preparava para lutar no Bellator 154, no dia 14 de maio, caminhava pela madrugada na cidade de Delray Beach, na Flórida (EUA). Enquanto atravessava a rua, na faixa de pedestre, o lutador foi atingido em cheio por uma Range Rover Sport prateada, que fugiu da cena sem prestar socorro ao atleta. Parsons ficou três dias internado no hospital, inclusive tendo uma perna amputada, mas não resistiu.

Parsons tinha um cartel discreto no MMA internacional, com 11 vitórias e duas derrotas diante de atletas relativamente desconhecidos. No entanto, o “Garoto Bonito”, como era conhecido, dava mostras de que poderia um dia despontar e se tornar um dos grandes atletas do Bellator.

Parsons era membro da academia Blackzilians, situada no sul da Flórida, e tinha como companheiro de treinos nomes como Rashad Evans, Anthony Johnson, Michael Johnson e Stefan Struve. Nascido em Fargo, Dakota do Norte, o lutador se formou em psicologia e se mudou para a Flórida em julho do ano passado, especialmente para treinar na famosa academia.

Antes de chegar à Blackzilians, no entanto, Parsons construiu seu caminho no MMA: venceu três lutas amadoras, entre 2008 e 2009, e fez sua estreia profissional em 2010. Ele venceu todas suas primeiras sete lutas, mas perdeu sua invencibilidade na oitava, ao ser nocauteado por Lazar Stojadinovic, no evento CFA 7, em 2012.

Em seguida, Parsons retomou o caminho da vitória ao obter dois triunfos em sequência, o que lhe rendeu a oportunidade de fazer sua estreia pelo Bellator. Na nova organização, o atleta venceu suas duas primeiras lutas, com um nocaute sobre Tim Bazer e uma finalização sobre o brasileiro Júlio César “Morceguinho”. Porém, voltou a perder para o experiente Bubba Jenkins, em uma apertada decisão dos juízes.

Parsons retornaria ao cage em meados do mês, quando enfrentaria Adam Piccolotti no Bellator 154. Quis o destino que isso não acontecesse .

Morte repercute entre seus companheiros de equipe

Jordan Parsons (foto) morreu após ser atropelado na Florida. Foto: Bellator

Jordan Parsons (foto) morreu após ser atropelado na Florida. Foto: Bellator

A trágica morte de Jordan Parsons repercutiu de forma intensa entre os membros da Blackzilians. Vários dos atletas da academia prestaram suas homenagens ao colega, entre eles alguns que são destaques no UFC.

O peso pesado Stefan Struve, que está na Holanda para o UFC Roterdã, neste domingo (8), se mostrou inconformado com a notícia. “Eu realmente não consigo acreditar nisso. Muita gente vai sentir a sua falta. Você era sempre otimista, com um sorriso no rosto. Descanse em paz, irmão”, escreveu o holandês.

Anthony Johnson, considerado um dos meio-pesados mais importantes da atualidade, também prestou sua homenagem. “Lamento muito, muito, irmão. Nós já sentimos a sua falta. Diga oi ao meu avô para mim e a todas as outras lendas no paraíso. Mantenha esse sorriso brilhante”, disse “Rumble”.

O peso pena do UFC Sean Soriano foi outro que deixou seu recado: “Descanse em paz, meu irmão. Não há mais dor, nem sofrimento. Você nunca desiste! Vou sempre lutar com você em mente.”

O treinador de Parsons na Blackzilians, Neil Melanson, foi além ao pedir pela captura do responsável pelo atropelamento. “Quem fez isso o deixou lá para morrer. A equipe inteira está devastada. O garoto trabalhava duro e vivia de maneira limpa”, lamentou.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments