Tyron Woodley comenta desafio de encarar Gilbert Durinho: ‘Nunca lutou cinco rounds’

Ex-campeão dos meio-médios aposta em experiência para acreditar na vitória contra brasileiro em 30 de maio

G. Durinho (dir.) e T. Woodley (esq.) se enfrentam na luta principal do card de 30 de maio. Foto: Reprodução/Twitter @GilbertDurinho

O ex-campeão dos meio-médios (até 77kg.), Tyron Woodley, está próximo de fazer seu retorno ao octógono mais de um ano depois de perder seu cinturão para Kamaru Usman, no UFC 235. O norte-americano terá o desafio de interromper a boa fase de Gilbert Durinho, que segue invicto desde que reestreou pela categoria. De olho na vitória, Woodley falou sobre o confronto, que acontece em 30 de maio, e explicou os caminhos para derrotar o niteroiense.

Veja Também

Miocic justifica demora em aceitar trilogia contra Cormier e diz: ‘Pare de chorar’
Jon Jones ameaça pausa na carreira após indiferença do UFC em promover luta contra Ngannou
UFC marca revanche entre Deiveson Figueiredo e Joseph Benavidez para 18 de julho, diz site

“O que eu gosto nesta luta é que ela é de cinco rounds. Eu acho que ele (Durinho) nunca disputou um combate de cinco assaltos. É diferente”, disse Tyron em entrevista ao ‘TMZ Sports’.

Woodley, que ostentou o cinturão da divisão de 2016 até 2019 explicou por que acha que o brasileiro terá desvantagem no confronto. Para o norte-americano, o niteroiense consegue, de fato, ser perigoso nas etapas iniciais, mas corre o risco de ser batido pelo cansaço.

“Ele sobe no octógono e explode no primeiro e segundo round, aí começa a fadigar no terceiro. Quando você está perdendo três round e começa a ser pego no quarto, você acaba ficando desesperado. Você começa a socar, chutar e tentar quedas e, se eu acho que tem alguém no UFC que tem olhos para enxergar isso a um quilômetro, este alguém sou eu”, finalizou Tyron.

O confronto contra Gilbert, que atualmente figura na sexta posição no ranking da divisão, pode recolocar Woodley no radar para uma futura disputa de cinturão. Atualmente, seu último algoz, Kamaru Usman, não tem luta marcada, apesar de, antes da pandemia do coronavírus, ter um acordo verbal para enfrentar Jorge Masvidal.

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário