UFC Barueri: Após trauma e perda do cinturão, Barão finaliza e promete ‘calar a boca’ de Dillashaw

Brasileiro, no entanto, não teve vida fácil contra Mitch Gagnon; Cara de Sapato e Xuxu perdem e Erick Silva vence no card principal

R. Barão (foto) finalizou M. Gagnon no terceiro round. Foto: Josh Hedges/UFC

R. Barão (foto) finalizou M. Gagnon no terceiro round. Foto: Josh Hedges/UFC

O ano de 2014 foi sem dúvida o mais duro da carreira de Renan Barão. Após perder o cinturão dos galos em maio para TJ Dillashaw, o brasileiro não conseguiu disputar a revanche contra seu algoz depois de desmaiar horas antes da pesagem oficial em agosto. Porém, Barão conseguiu encerrar o ano de maneira positiva, se recuperando das adversidades e vencendo Mitch Gagnon na luta co-principal do UFC Barueri, já nas primeiras horas deste domingo (21).

Veja Também

Xará de Lyoto perde, mas brasileiros vão bem no card preliminar do UFC Barueri
Fã número um de Lyoto, chinês viaja o mundo atrás do lutador e desembarca em Barueri

Após o triunfo, o ex-campeão ainda aproveitou para mandar um recado direto para Dillashaw. “TJ, tenho dois presentes pra você: minha mão direita e minha mão esquerda. Eu vou calar sua boca!”, disparou, ainda no octógono. “Eu só tenho uma coisa para dizer: eu quero meu cinturão de volta!”, completou.

A luta

Após um início com muito estudo, Barão conseguiu um overhead duríssimo, que desestabilizou o rival. O brasileiro sofreu alguns golpes de encontro, mas em geral foi melhor no primeiro assalto. Na metade do round, Gagnon pegar o lutador da casa no clinch, mas teve a investida negada pelo brasileiro. No fim da parcial, Barão conseguiu um knockdown providencial com um cruzado de esquerda certeiro no queixo.

No segundo round, o cenário se repetiu. Gagnon voltou a apostar no clinch e nos golpes de encontro. Porém, desta vez, quando a dupla partiu para a trocação franca, o canadense levou a melhor. No terceiro e último round, no entanto, já apresentando sinais de cansaço, Gagnon foi levado ao chão por Barão, que trabalhou bem a posição e conseguiu a finalização com um triângulo de mão.

Cara de Sapato cai diante do wrestling de Cummins

Era de se esperar que um wrestler duas vezes “All American” na 1ª divisão da NCAA (liga universitária dos EUA) fosse usar e abusar da luta olímpica. E foi justamente no clinch e no jogo de quedas que Pat Cummins se apoiou para conseguir sua terceira vitórias consecutiva do UFC, tirando a invencibilidade do campeão do TUF Brasil 3 Antônio Cara de Sapato.

Desde o início da luta, Cummins conseguiu encurtar a distância e levar o combate para o solo. Apesar da postura bastante ativa do brasileiro na guarda, com alguns momentos de perigo, como duas tentativas de chave de tornozelo, o norte-americano conseguiu se manter dominante ao longo das três parciais.

No fim da luta, Cara de Sapato ainda teve um ótimo momento, quando conseguiu quedar Cummins com um suplex e partiu para as costas do rival, porém restavam pouco mais de 30 segundos no relógio e o brasileiro não teve tempo suficiente para trabalhar uma finalização.

No fim das contas, Cummins foi declarado vencedor por decisão unânime dos juízes, com um triplo 30-27.

Elias Silvério é dominado por russo e conhece sua primeira derrota

Após ostentar uma série invicta que durou onze lutas, três delas dentro do octógono do UFC, Elias Silvério conheceu sua primeira derrota diante do russo Rashid Magomedov. Dominado na maior parte do combate e sofrendo com o jogo de quedas afiado do daguestanês, “Xuxu”, como é conhecido, levava grande desvantagem para a decisão dos juízes, mas sofreu um nocaute a apenas três segundos do fim do combate.

Erick Silva volta a vencer com finalização relâmpago

Mantendo a máxima dentro do UFC, de alternar vitórias e derrotas, o capixaba Erick Silva voltou a triunfar no octógono com uma finalização relâmpago sobre Mike Rhodes. Faixa preta de jiu-jitsu, Erick precisou de pouco mais de um minuto para encaixar um triângulo de mão justo e acabar com o combate. Após a luta, o brasileiro disse que devia essa vitória ao público de Barueri, já que no ano passado ele foi derrotado pelo sul-coreano Dong Hyun Kim em evento realidzado na cidade.

Em combate de muita trocação, Junior Alpha leva a pior após fratura

O duelo que abriu o card principal, entre Daniel Sarafian e Junior Alpha, teve momentos de muita trocação franca e golpes contundentes de ambas as partes. Porém, o duelo se encerrou após um lance de azar do baiano, que fraturou o dedo mínimo da mão esquerda ao tentar bloquear um soco de Sarafian, que foi declarado vencedor por nocaute técnico no segundo assalto após interrupção do árbitro central.

Confira abaixo todos os resultados do UFC Barueri:

CARD PRINCIPAL:

Peso médio (até 84 kg): Lyoto Machida x CB Dollaway;

Peso galo (até 61,2 kg): Renan Barão finalizou Mitch Gagnon com um triângulo de mão no R3;

Peso meio-pesado (até 93 kg): Pat Cummins derrotou Antônio Cara de Sapato em decisão unânime dos juízes (30×27, 30×27 e 30×27);

Peso leve (até 70 kg): Rashid Magomedov derrotou Elias Silvério por TKO no R3;

Peso meio-médio (até 77 kg): Erick Silva finalizou Mike Rhodes com um triângulo de mão no R1;

Peso médio (até 84 kg): Daniel Sarafian derrotou Junior Alpha por TKO (lesão) no R2.

CARD PRELIMINAR

Peso meio-pesado (até 93 kg): Marcos Pezão derrotou Igor Pokrajac por nocaute no R1;

Peso pena (até 66 kg): Renato Moicano finalizou Tom Niinimaki com um mata-leão no R2;

Peso pena (até 66 kg): Hacran Dias derrotou Darren Elkins na decisão unânime dos juízes (29×28, 30×27, 29×28)

Peso galo (até 61,2 kg): Leandro Brodinho finalizou Ulka Sasaki com um esgana-galo no R2;

Peso meio-médio (até 77 kg): Tim Means derrotou Marcio Lyoto na decisão dividida dos juízes (29×28, 28×29, 29×28)

Peso médio (até 84 kg): Vitor Miranda derrotou Jake Collier por nocaute no R1;

Notícias relacionadas

Deixe seu comentário

0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments